Náutico 1×0 Luverdense

Na estreia de Roberto Fernandes, Náutico quebra jejum de vitórias como mandante

Ficha do jogo

Náutico 1
Jefferson; David, Breno Calixto, Feliphe Gabriel e Diego Miranda; Darlan, Bruno Mota (Cal Rodrigues), Erick e Iago Silva (Leilson); Vinícius (William Schuster) e Gilmar. Técnico: Roberto Fernandes.

Luverdense 0
Diogo Silva; Aderlan, Pablo, William e Paulinho; Ricardo, Moacir e Sérgio Mota; Erik (Rafael Ratão), Alfredo (Raphael Macena) e Dougla Baggio (Léo Cereja). Técnico: Júnior Rocha.

Local: Arena de Pernambuco.

Árbitro: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ).

Assistentes: Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha (RJ) e Diogo Carvalho Silva (RJ).

Gol: Erick (18 min do 2º tempo).

Cartão amarelo: Ricardo, Pablo, William, Paulinho e Aderlan (L) , William Schuster, Darlan e David (N).

Público: 4.789.

Renda: R$ 32.015.

Náutico estreia com o pé direito na Série B

Hiltinho marcou o gol da vitória alvirrubra. Foto: Fernando da Hora/JC Imagem – Autor: Wladmir Paulin

Com um bom trabalho de marcação principalmente no primeiro tempo o Náutico estreou com vitória na Série B 2015 ao fazer 1×0 na Luverdense, neste sábado (9), na Arena Pernambuco. O gol da vitória foi marcado por Hiltinho e o resultado poderia até ser mais folgado se os timbus caprichassem mais na hora de finalizar. Foram pelo menos outras três oportunidades cara a cara com o goleiro desperdiçadas.

A proposta alvirrubra foi a cara da Série B: correria e marcação intensa no adversário. O time começou a fazer isso desde os primeiros minutos, oscilando a primeira zona de pressão, ora a linha intermediária entre a meia-lua e o círculo central, ora no próprio círculo de meio de campo. Fosse onde fosse, a intensidade não permitiu que a bola chegasse fácil a Osman e Ciro.

Também facilitou bastante a vida de Ronaldo Alves e Fabiano Eller. A primeira boa oportunidade saiu na bola parada aos dois minutos. Patrick Vieira buscou o ângulo direito e Édson voou para espalmar. O gol saiu numa pressão de saída de bola. Douglas teve tranquilidade para deixar Hiltinho cara a cara com o goleiro. Ele tentou colocar a bola entre as pernas de Édson, e ela entrou mastigada, com os zagueiros da Luverdense, em vão, tentando cortar.

O placar poderia até ser maior. Aos 34, Rogerinho recebeu de Patrick Vieira mas Édson saiu bem do gol e conseguiu defender. Apenas três minutos depois Hiltinho aproveitou desvio de Marino para cabecear e, novamente, o goleiro matogrossense, salvar seu time. A equipe visitante só deu o ar da graça aos 43 quando Montoya cabeceou frente a frente com Júlio César mas mandou para fora.

Na volta para o segundo tempo, o timbu diminuiu a intensidade da pegada. A Luverdense ganhou mais espaço no meio mas aí faltou qualidade para criar situações para os atacantes finalizarem. A equipe visitante fazia o que quase todo time com limitações de criatividade – ou qualidade técnica mesmo – fazem: apelou para os lançamentos.

Já os alvirrubros exploraram os contra-ataques e tiveram uma grande chance de ampliar aos 22 minutos. Hiltinho lançou Patrick Vieira com precisão cirúrgica. O camisa 10 ficou cara a cara com Édson mas finalizou muito mal, facilitando a defesa.

A Luverdense teve mais posse de bola mas rondou a área timbu sem condição de finalizar. Tanto que os lances mais perigosos foram cobranças de falta de Paulinho, que acertou a trave; e Deyvid Sacconi, que mandou no lado externo da rede.

FORÇA
O novo time do Náutico mostrou algo que faltou bastante no Pernambucano e na Copa do Nordeste: força. O porte físico dos jogadores aumentou em relação ao time do Nordestão e do Pernambucano. Prova disso é que a Luverdense encontrou pouco espaço para atuar, já que os jogadores alvirrubros conseguiam chegar mais rápido e forçar o erro.

ROUPA NOVA
O timbu estreou um novo modelo de terceiro uniforme neste sábado. A camisa mantém as cores tradicionais, mas com o lado esquerdo todo vermelho e o direito todo branco. Os números – azuis no padrão listrado na vertical e vermelho no padrão todo branco – estão dourados.

Ficha do jogo:

Náutico: Júlio César; Guilherme, Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gaston Filgueira; João Ananias, Marino, Hiltinho e Patrick Vieira (Pedro Carmona); Rogerinho (Bruno Alves) e Douglas (Josimar). Técnico: Lisca.

Luverdense: Edson; Raul Prata, Everton, Walace e Paulinho; Júlio Terceiro, Michel (Ticão), Diego Rosa (Rafael Tavares) e Deyvid Sacconi; Osman (Da Mata) e Ciro. Técnico: Júnior Rocha.

Local: Arena Pernambuco, São Lourenço da Mata (PE). Árbitro: Leo Simão Holanda (CE). Auxiliares: Arnaldo Rodrigues de Souza (CE) e Armando Lopes de Sousa (CE). Gol: Hiltinho, aos 17 do primeiro tempo. Cartões amarelos: João Ananias, Ronaldo Alves, Hiltinho, Fabiano Eller, Raul Prata e Júlio Terceiro. Público: 5.440.

Com Arena PE vazia, Náutico supera marasmo e vence Luverdense com gol de Sassá

Por  Daniel Leal /Diario de Pernambuco

Os pouco mais de 1.500 torcedores alvirrubros que estiveram na tarde deste sábado, na Arena Pernambuco, certamente foram ao estádio por guardarem consigo alguma esperança no acesso. E devem ter saído um pouco mais confiantes. Jogando o suficiente para vencer, o Náutico bateu a Luverdense por 1 a 0 e chegou aos 49 pontos – a cinco do Ceará, que abre o G4 (ainda sem contabilizar o jogo do Boa Esporte, que fecha a rodada). O Timbu foi superior durante quase toda a partida, perdeu um festival de oportunidades ao longo do jogo e acabou sendo contemplado aos 35 minutos do segundo tempo com um gol de Sassá.

O Náutico agora volta a campo agora na próxima terça-feira, contra o Oeste, em Itápolis. Na sequência, o Alvirrubro ainda terá mais dois jogos para finalizar a Série B: América-RN, novamente fora de casa, e Ponte Preta, no Recife. Mesmo que vença as três partidas restantes, o Timbu teria que contar com uma complicada combinação de resultados para conseguir o acesso à Série A. A possibilidade matemática, porém, existe e os atletas insistem em garantir que acreditam.

O jogo

O Náutico abusou de perder gols no primeiro tempo. Somente Bruno Furlan perdeu quatro oportunidades, duas delas de maneira imperdoável. Não em vão os poucos torcedores que foram ao jogo não perdoaram e vaiaram a equipe na saída para o intervalo. Mas poderia ter sido bem diferente. Mesmo sem apresentar um bom futebol, o Timbu se mostrou mais disposto que a Leverdense. Lançou-se ao ataque e acumulou inúmeras chances. Não fosse a pontaria desastrosa dos atacantes, teria saído pelo menos com a vitória mínina na etapa inicial.

Aos 14 minutos, Furlan apertou saída de jogo do adversário, tomou a bola e serviu Crislan. Sozinho, na pequena área, o atacante mandou para fora. Retraída, a equipe de Mato Grosso segui sendo bombardeada. Furlan aos 22 e aos 26 e Paulinho aos 28 tiveram suas chances. Aos 30, o mais perto que o Náutico chegou do gol. Sassá avançou aos trancos pela esquerda e bateu cruzado, acertando a trave. No rebote, Paulinho chutou e o goleiro defendeu. Para concluir o festival, aos 43 Furlan tabelou com Vinícius e recebeu de frente para o goleiro: mandou para fora. A torcida não perdoou.

No segundo tempo, o Timbu diminuiu o ritmo, mas ainda assim seguiu melhor que a Luverdense. Aos 12, mais uma bola na trave! Vinícius, de falta, por pouco não abre o placar. Aos 28, a melhor chance matogrossense. Mizael fez grande jogada e serviu Café, sozinho, sem goleiro, que mandou para fora. Aos 35, enfim, o gol. Sassá recebeu lançamento de Bruno Furlan, ganha disputa com a zaga e testou para as redes. Era o gol da vitória e da ponta de esperança timbu no acesso.

Ficha do jogo 

Náutico 1
Júlio César; David (Rafael Cruz), Luiz Alberto, William Alves e Gaston Filgueira; João Ananias, Paulinho e Vinícius; Crislan (Renato), Furlan e Sassá. Técnico: Dado Cavalcanti.

Luverdense 0
Tomazella; Jean Patrick, Júlio Terceiro, Paulinho e Edinho; Carlão, Samuel (Café), Felipe Alves (Washington) e Gilson; Misael e Léo (Mateus Lima). Técnico: Maico Gaúcho.

Estádio: Arena Pernambuco. Árbitro: Antônio Dib Moraes de Sousa (PI).
Assistentes: Rogério de Oliveira Braga (PI) e Nailton Junior de Sousa Oliveira (CE). Gol: Sassá (aos 35’ do 2ºT).Cartões amarelos: Vinícius (N); Jean Patrick (L). Público: 1.566. Renda: R$ 78.060,00