Náutico 1×2 Joinville

Defesa falha e Náutico tem sequência positiva dentro de casa quebrada pelo Joinville

 Rafael Brasileiro /Diario de Pernambuco

A partida contra o Joinville não decidiria a vida do Náutico na sequência da Série B, mas era de uma importância imensa. Era o jogo que marcaria a afirmação do Timbu como candidato a uma das vagas à Série B e colocaria o Timbu encostado no G4. Era. O Náutico esbarrou nas suas limitações ofensivas e apresentou novas falhas no sistema defensivo, o suficiente para que o Joinville marcasse dois gols e vencesse o Timbu por 2 a 1 na Arena Pernambuco.

A partida começou animada e as primeiras finalizações foram mortais como os vacilos das duas defesas. O Náutico tinha o domínio do jogo até os nove minutos, mas uma bola dividida entre Tiago Medeiros e Marcone subiu o suficiente para que Edigar Junior recebesse na entrada da área. O atacante aproveitou que a defesa timbu havia ficado estática, apenas olhando a bola e abriu o placar no primeiro chute e da partida. A resposta alvirrubra não demorou. Aos 12 minutos outro vacilo, mas dos catarinenses e em um cruzamento despretensioso, a bola sobrou para Sassá que teve toda a tranquilidade do mundo para empurrar para o fundo do gol.

Com o empate alcançado tão rapidamente a torcida entrou o jogo e empurrou o Timbu em busca do empate. Aos 18 minutos Crislan poderia ter virado o jogo em um chute cruzado, mas não aproveitou o que seria uma grande assistência de Vinícius e isolou sobre o gol de Ivan. A resposta do Joinville veio com menos de um minutos após a tentativa de Crislan, mas através de outro erro defensivo. Mario Risso tentou cortar um cruzamento de Murilo e quase marca contra.

Os dois lances assustaram as defesas, mas não foram os mais perigosos do primeiro tempo. Aos 29 minutos o atento e veloz Edigar Junio quase marca o seu segundo gol na partida após lançamento em profundidade, mas Júlio César conseguiu fechar o ângulo de finalização e defendeu com o peito. Jael, de falta, e Crislan, de cabeça, ainda poderiam ter mudado o placar do primeiro tempo, mas as finalizações apenas deram sustos e não foram em direção ao gol. A etapa parecia ir para o intervalo com tudo igual no placar, só esqueceram de avisar a Edigar Junio. Ao desviar de cabeça uma cobrança de escanteio na primeira trave, o camisa 11 do Joinville levou a vantagem para os vestiários e colocou 2 a 1.

Segundo tempo
Sem mudanças, as equipes mantiveram o ritmo do primeiro tempo e por pouco po empate não saiu com poucos minutos da segunda etapa. Em um lance confuso, Crislan tentou tabelar com Sassá, mas terminou ficando com a bola e buscou o companheiro de ataque dentro da área. O cruzamento que seria complementado com uma bicicleta de Sassá não aconteceu porque Cañete apareceu no meio do lance atrapalhou tudo.

O erro de Cañete só foi o complemento de mais uma partida fraca do jogador e Dado Cavalcanti decidiu mudar aos dez minutos da etapa complementar. Marinho entrou no seu lugar e inflamou a partida logo no primeiro lance. Em uma bola que deveria ser devolvida para o Joinville, o atacante não quis saber de fair play. O camisa 7 pegou a bola, limpou e chutou em gol. O necessário para que uma confusão fosse instalada dentro de campo. Após empurrões e discussões, Marinho foi o único punido e levou o cartão amarelo.

O Timbu continuou pressionando, mas com limitações. Sempre utilizando as jogadas pelo lado direito e forçando cruzamentos para Sassá e Crislan, fazendo com que as articulações com Vinícius e Guilherme, que entrou no lugar de Marcone, fossem nulas. Os 8.653 torcedores na Arena não vaiaram e tentaram dar algum ânimo aos atletas timbus, mas o Joinville provou o porquê de estar no G4 e teve a experiência necessária para segurar o resultado e assumir a liderança da Série B. Ao Timbu, que continuou nos 34 pontos, o momento é de focar no duelo com o Vasco da Gama no próximo sábado e não deixar o grupo de elite desgarrar.

Ficha do jogo

Náutico

Julio César; Rafael Cruz, Renato Chaves, Mario Risso e Roberto; Elicarlos, Marcone (Guilherme, aos 19’ do 2ºT), Vinícius (Bruno Furlan, aos 33’ do 2ºT) e Cañete (Marinho, aos 11’ do 2ºT); Crislan e Sassá. Técnico: Dado Cavalcanti.

Joinville

Ivan; Murilo (Guti, aos 19’ do 2ºT), Bruno Aguiar, Thiago Medeiros e Anselmo (Naldo, aos 42’ do 2ºT); Rogério, Everton, Washington e Marcelo Costa;  Jael e Edigar Junior (Hugo, aos 29’ do 2ºT). Técnico: Hemerson Maria.

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata.

Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL)

Assistentes: Pedro J Santos de Araujo (AL) e Otavio Correia de Araujo Neto (AL)

Gols: Edigar Junio (9’ e 44’ do 1ºT) (JEC); Sassá (12’ do 1ºT) (NAU)

Cartões amarelos: Murilo (Joinville); Marinho (Náutico)

Público: 8.653

Renda: R$ 208.340,00