Paraná 2×0 Náutico

Náutico tropeça mas se mantém no G4

Autor: Alvaro Filho

O Náutico conseguiu ser mais frio que a noite do inverno paranaense e foi presa fácil para um mediano Paraná, nesta terça (28), pela 15ª do Campeonato Brasileiro da Série B. Com um esquema com cinco jogadores no meio-campo, o Alvirrubro nem atacou, nem defendeu e viu o adversário construir o 2×0 que garantiu a vitória antes mesmo dos 20 minutos de jogo.

A boa notícia é que os resultados da rodada, como as derrotas de Sampaio Corrêa e Bahia, ajudaram o Náutico, apesar do revés, a permanecer no G4, na quarta colocação, com 27 pontos. O Paraná subiu três posições e está em 11ª. O próximo compromisso alvirrubro é sábado (1º), na Arena Pernambuco, contra o Macaé, oitavo colocado, com 23 pontos.

O JOGO

A proposta alvirrubra era aproveitar a inflação de jogadores no meio-campo para marcar forte o Paraná e roubar a bola. Curiosamente, logo na primeira investida, os paranistas conseguiram não só segurar a pressão como partir em contra-ataque. Numa jogada rápida, aos 4 minutos, a bola sobrou fora da área para Rafael Costa chutar seco, no canto de Júlio César, que nada pôde fazer.

Aos 12, o Náutico caiu pela direita e a bola foi cruzada para dentro da área. Livre, William Magrão teve a oportunidade de escorar, mas chutou em cima do adversário, desperdiçando boa chance.

Se parecia que a partida seria um VT do jogo contra o Vitória, com gol sofrido antes dos 5 minutos e chances perdidas, a sequência do jogo foi diferente. O Paraná continuou pressionando e em mais uma troca de passe na área alvirrubra, Fernando Viana encontrou espaço para concluir com precisão e aumentar a vantagem paranista.

Com o resultado favorável, o Paraná recuou e passou a esperar o Náutico. O escape paranaense, porém, era sempre perigoso, pela lateral-esquerda defensiva alvirrubra, onde o volante Fillipe Soutto jogava improvisado no lugar do (mais uma vez) suspenso Gastón Filgueira. Enquanto isso, o Timbu arriscava em bolas paradas, nos pés de Guilherme. Numa delas, a bola cruzou a área e o goleiro Marcos tirou no susto.

A tentativa de reação alvirrubra seguiu meio desajeitada e, mesmo assim, William Magrão, numa jogada individual, chutou de fora da área. A bola desviou na defesa e teimosamente beijou a trave.

Como o atacante Douglas nem tocou na bola no primeiro tempo, totalmente isolado, o técnico Lisca voltou do intervalo com Renato no ataque, sacando o lateral-direito Guilherme e deixando o Timbu com as duas laterais ocupadas com jogadores improvisados.  Não demorou muito e aos 16 o técnico timbu mexeu novamente, sacando o apagado Marino para colocar Pedro Carmona.

As substituições não tiraram o Náutico de letargia, que além de não criar assistia passivamente o Paraná arriscar, sem marcação nenhuma, chutes de fora da área. Lisca tentou acordar o time mais uma vez, sacando Hiltinho e colocando Bruno Alves. A mexida, porém, surtiu efeito.

No primeiro lance do jogo, Bruno Alves lançou Gil Mineiro, que invadiu a área e concluiu, mas o goleiro paranista Marcos fez boa defesa. Logo depois, foi a vez de Douglas avançar e se enroscar com o defensor dentro da área. O artilheiro caiu e pediu pênalti, em lance para lá de duvidoso, mas o árbitro preferiu dar cartão amarelo ao jogador alvirrubro.

A expectativa de reação, porém, parou por aí. O Náutico voltou ao futebol “glacial” em campo e correu atrás da bola até o árbitro terminar uma partida que o torcedor timbu tem tudo para esquecer.

FICHA DO JOGO

Paraná

Marcos; Ricardinho, Luís Felipe, Luciano Castan e Rafael Carioca; Jean, Rafael Costa (Lucas Pará), Fernandes e Danielzinho; Fernando Viana (Paulo Henrique) e Henrique. Técnico: Fernando Diniz.

Náutico

Júlio César; Guilherme (Renato), Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Fillipe Soutto; João Ananias, Gil Mineiro, William Magrão, Marino (Pedro Carmona) e Hiltinho (Bruno Alves); Douglas. Técnico: Lisca

Árbitro: José Rocha Filho (SP). Assistentes: Carlos Augusto Júnior e Ricardo Lanuto (ambos SP). Cartões amarelos: Douglas e Bruno Alves. Gols: Rafael Costa, Fernando Viana (4 e 18 do 1º). Público: 8.644 torcedores.

Com Leonardo marcando gol contra, Náutico perde por 2 a 0 para o Paraná

Celso Ishigami – Diario de Pernambuco

Encarar um Paraná em crise parecia uma excelente oportunidade para o Náutico encaixar sua sequência de vitórias nesta Série B. O Timbu, porém, não fez sua parte. Numa noite infeliz de seu sistema defensivo e da inoperância dos homens de frente, os alvirrubros amargaram mais uma derrota. O 2 a 0 no Durival Britto deixou a equipe pernambucana na 11ª colocação por conta dos critérios de desempate. Mas o sinal de alerta já está aceso nos Aflitos, uma vez que apenas um ponto separa a equipe de Sidney Moraes do Santa Cruz, que abre a zona de rebaixamento.


As equipes ainda se estudavam quando a zaga alvirrubra falhou grosseiramente. Depois de boa triangulação, o lateral esquerdo Breno chegou à linha de fundo e cruzou no segundo pau. Bem posicionado e completamente livre, Giancarlo sequer precisou pular para escorar de cabeça e abrir o placar para o Paraná.

A desvantagem obrigou os alvirrubros a saírem para o jogo. Entretanto, era evidente que o Timbu enfrentava dificuldades para chegar à área paranista com a bola dominada. Principalmente, por conta do mau posicionamento de seus homens de frente, que não conseguiam jogar de maneira compacta. Faltou pouco, inclusive, para os erros do sistema ofensivo complicarem ainda mais a situação do Náutico. Apesar de a equipe pernambucana ter assustado em chutes de Vinícius e Marcos Vinícius, as duas bolas na trave de Alessandro deixaram a impressão de que descer para o vestiário perdendo por 1 a 0 ficou barato.

O segundo tempo mal havia começado quando um novo erro bizarro da zaga alvirrubra deixou o Paraná numa situação mais confortável. Desta vez, porém, a falha foi individual. Depois de um cruzamento inofensivo, Leonardo Luiz tentou recuar a bola de peito para Alessandro, mas acabou colocando muita força e tirou qualquer chance de o goleiro alvirrubro impedir o gol contra.

A ampliação da vantagem do Paraná não foi suficiente para que os alvirrubros acordassem na partida. A impressão era de que o Náutico parecia aceitar o resultado, tamanha a passividade de seus atletas. Não por acaso, o goleiro Marcos fez sua primeira defesa do segundo tempo somente aos 43 minutos. Na próxima rodada, o compromisso do Timbu é com o Avaí, na partida que marcará o retorno aos Aflitos.

Paraná
Marcos; Carlinhos Miranda, Gustavo, Anderson Rosa e Breno; Cambará, Marcos Serrato, Henrique Santos (Lucas Pará, aos 44’ do 2º T), Juliano Mineiro (Carlinhos, aos 25’ do 2º T) e Thiago Humberto (Rodrigo Mann, aos 38’ do 2º T); Giancarlo. Técnico: Claudinei Oliveira.

Náutico

Alessandro; Rafael Cruz, Leonardo Luiz, William Alves e Raí; Dê (Paulinho, aos 40’ do 2º T), Elicarlos, Vinícius, Leleu e Geovane (Paulo Júnior, aos 36’ do 2º T); Marcos Vinícius (Marcelinho, aos 33’ do 2º T). Técnico: Sidney Moraes.

Local: Estádio Durival Britto (Curitiba-PR).
Árbitro: Philip Georg Bennett (RJ).
Assistentes: Lilian da Silva Fernandes Bruno (RJ) e Silbert Faria Sisquim (RJ).
Gols: Giancarlo (aos 6’ do 1º T) e Leonardo Luiz (contra, aos 7’ do 2º T).
Cartões amarelos: Gustavo, Giancarlo (Paraná), Elicarlos, Marcelinho (Náutico).
Público: 3.687.
Renda: R$ 39.160,00
.