Philippe Coutinho

Jogo Define Classificação do Brasil contra a Sérvia

Ficha do Jogo

Sérvia x Brasil

Sérvia : Vladimir Stojkovic; Antonio Rukavina, Branislav Ivanovic, Dusko Tosic e Aleksandar Kolarov; Nemanja Matic, Luka Milivojevic, Sergej Milinkovic-Savic, Dusan Tadic, Filip Kostic; Aleksandar Mitrovic

Brasil :  Alisson; Fagner, Miranda, Thiago Silva, Marcelo; Casemiro, Paulinho; Willian, Philippe Coutinho, Neymar; Gabriel Jesus

Data: 27/06/2018
Local: MOSCOU,  SPARTAK
Horário: 15:00

 

Brasil sofre, mas vence Costa Rica com gols de Coutinho e Neymar nos acréscimos

BRASIL 2 x 0 COSTA RICA

BRASIL – Alisson; Fágner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho (Firmino 22 do 2º), Willian (Douglas Costa, intervalo), Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus (Fernandinho 47 do 2º). Técnico Tite

COSTA RICA – Navas; Gamboa (Calvo 29 do 2º), Acosta, González e Oviedo; Duarte, Guzmán (Tejeda 37do 2º) e Borges; Venegas, Bryan Ruiz e Ureña (Bolaños 8 do 2º). Técnico: Óscar Ramírez

GOLS – Philippe Coutinho, aos 45 minutos, e Neymar, aos 51 do segundo tempo
ÁRBITRO – Björn Kuipers (HOL)
ASSISTENTES – Sander Van Roekel e Erwin Zeinstra (HOL)
CARTÕES AMARELOS – Neymar, Philippe Coutinho,Acosta,

PÚBLICO – 64.468
LOCAL – Arena de São Petersburgo, em São Petersburgo (Rússia)

Brasil vence o Equador e assegura primeiro lugar das Eliminatórias Sul-Americanas

BRASIL 2 X 0 EQUADOR
 
BRASIL
Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda (Thiago Silva) e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Willian (Luan), Renato Augusto (Philippe Coutinho) e Neymar; Gabriel Jesus
Técnico: Tite
EQUADOR
Banguera; Velasco, Arboleda, Achilier e Cristian Ramírez; Pedro Quiñónez, Noboa, Antonio Valencia, Gaibor (Cazares) e Fidel Martínez (Marcos Caicedo); Enner Valencia (Felipe Caicedo)
Técnico: Gustavo Quinteros
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 31 de agosto de 2017, quinta-feira
Árbitro: Mario Díaz Vivar (Paraguai)
Assistentes: Milcíades Saldivar e Rodney Aquino (ambos do Paraguai)
Cartões amarelos: Neymar, Gabriel Jesus e Marcelo (Brasil); Fidel Martínez e Velasco (Equador)
GOLS: Paulinho, aos 23, e Philippe Coutinho, aos 30min do 2ºT

Seleção goleia Argentina por 3 a 0 e mantém liderança nas Eliminatórias

BRASIL 3X0 ARGENTINA

BRASIL
Alisson; Daniel Alves, Miranda (Thiago Silva, 41’/2ºT), Marquinhos e Marcelo; Fernandinho, Paulinho e Renato Augusto; Philippe Coutinho (Douglas Costa, 39’/2ºT), Gabriel Jesus (Firmino, 36’/2ºT) e Neymar.
Técnico: Tite

ARGENTINA
Romero; Zabaleta, Otamendi, Funes Mori e Mas; Biglia, Mascherano, Pérez (Agüero, int) e Di María (Correa, 26’/2ºT); Messi e Higuaín.
Técnico: Edgardo Bauza

Gols: Philippe Coutinho (B), aos 24, e Neymar (B) aos 46 minutos do primeiro tempo; Paulinho (B), aos 13 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Fernandinho (B); Otamendi, Funes Mori e Biglia (A).

Público: 53.490 / Renda: R$ 12.726.250,50

Arbitragem: Julio Bascuñán, auxiliado por Christian Schiemann e Raul Orellana (trio chileno).

Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte.

PRÓXIMO JOGO – ELIMINATÓRIAS
PERU X BRASIL

Quarta-feira, 16/11/2016, 0h15min

daniel-alves-philippe-coutinho-neymar-e-gabriel-jesus

Na volta ao Brasil após a Copa, Seleção conta com lampejos de talento para vencer mexicanos

Gazeta Press

Em seu primeiro jogo no Brasil desde a Copa do Mundo, o Brasil teve raros momentos de talento para tentar deixar para trás as vergonhosas atuações nas derrotas por 7 a 1 para a Alemanha e 3 a 0 para a Holanda. O time até chegou a ouvir vaias neste domingo, no Palestra Itália, mas foi salvo por dois lances no primeiro tempo para vencer o México por 2 a 0 em amistoso preparatório para a Copa América.

Diante de quase 40 mil pessoas, a equipe de Dunga errava demais e ouvia vaias aos 25 minutos do primeiro tempo quando, aos 27, Philippe Coutinho girou com o corpo e finalizou quase sem ângulo para abrir o placar. Aos 36, foi a vez de Elias limpar Rafa Márquez com um toque e rolar para Diego Tardelli ampliar. O resto da partida foi um treino sem emoção, mas houve quem gritou “olé” das arquibancadas e o que se ouviu após o apito final foram aplausos.

Antes de estrear na Copa América, o Brasil tem amistoso contra Honduras, na quarta-feira, em Porto Alegre, quando tem chances de contar com seu maior astro: Neymar, que passou o domingo festejando o título europeu em Barcelona. A Seleção estreia na Copa América do Chile no domingo, diante do Peru, pelo grupo C. O México também disputa o torneio e estreia na sexta-feira, contra a Bolívia, pelo grupo A.

O jogo –O Brasil iniciou o jogo querendo mostrar que o 7 a 1 para a Alemanha estava no passado e logo mostrou disposição física, técnica e tática para se aproveitar da seleção mexicana, sem seus principais jogadores. Willian, Philippe Coutinho e Fred trocavam posições na linha de três mais próxima à área e Diego tardeli saia da marca do pênalti para ajudar no toque de bola.

Da linha defensiva, Elias era mais meia do que volante e se tornava mais uma na intermediária ofensiva, com opção também com a passagem dos laterais. Assim, o time encontrou espaços pelos lados e uma sequência de escanteios que quase culminou em gol de cabeça de David Luiz, logo aos dois minutos de partida.

Mas o México precisou de menos de dez minutos para se ajustar em campo e travar a empolgação brasileira. Sob o comando do veterano zagueiro Rafa Márquez, a equipe passou a ter cinco na linha defensiva, fechando os espaços nas laterais, e bloqueou o meio-campo com três marcadores.

Com esse posicionamento, ficou fácil obter a bola e adiantar a marcação progressivamente até forçar o Brasil a perder bolas fáceis. Quando impunham velocidade, os mexicanos levavam perigo e só não deram mais trabalho porque David Luiz acertou quase todos os desarmes que tentou.

A Seleção não mostrava paciência para valorizar a posse de bola e, já aos 25 minutos do primeiro tempo, a torcida passou a vaiar. O Brasil, então, decidiu ocupar o campo adversário na marra e acabou sendo salvo pelo talento individual para abrir o placar quando a maioria no estádio palmeirense cantava “Vamos ganhar, Porco!”.

Aos 27 minutos, Philippe Coutinho recebeu de Filipe Luís na grande área, girou o corpo para passar pela marcação e, quase sem ângulo, bateu no espaço preciso entre o goleiro e a trave para balançar as redes. O gol deu a tranquilidade e confiança que os comandados de Dunga precisavam.

O Brasil se adiantou e passou a ficar com quase todos os seus jogadores no campo adversário. Logo foi premiado pela postura. Aos 36 minutos, uma das bolas roubadas ficou para Willian lançar Elias, que limpou Rafa Márquez com um toque e rolou para Diego Tardelli fazer 2 a 0.

O gol voltou a colocar empolgação no time e na torcida, que passou a gritar “olé”. O conforto exagerado até se transformou em espaço para Guemez chutar, obrigando o goleiro Jefferson a fazer defesa complicada, aos 40. Mas o Brasil foi para o intervalo sem correr mais riscos.

Dunga voltou com Fabinho no lugar de Danilo, na lateral direita, e passou o segundo tempo inteiro desfrutando da confiança e tranquilidade consequentes do 2 a 0 antes do intervalo. Com exceção de uma entrada violenta de Rafa Márquez em Willian, o amistoso virou treino, o que poderia se tornar perigoso, já que o Brasil fechou espaços em sua intermediária defensiva e deixou o México ficar com a bola.

Com o resultado garantido, Dunga aproveitou o ritmo calmo do amistoso para testar seus reservas, que não souberam se aproveitar de um adversário sem seus principais jogadores. O México prioriza a Copa Ouro, que começa em julho, e disputará a Copa América com um time formado basicamente por atletas da liga local.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 2 X 0 MÉXICO

Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data: 7 de junho de 2015 (domingo)
Horário: 17 horas (de Brasília)
Público: 34.659 pagantes
Renda: R$ 6.737.030,00
Árbitro: Julio Quintana (PAR)
Assistentes: Eduardo Cardozo (PAR) e Juan Zorrilla (PAR)
Cartões amarelos: Guemez, Corral, Rafa Márquez (México)

Gols: BRASIL: Philippe Coutinho, aos 27, e Diego Tardelli, aos 36 minutos do primeiro tempo

BRASIL: Jéfferson, Danilo, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Fernandinho (Fabinho), Elias (Casemiro), Fred (Felipe Anderson), Philippe Coutinho (Éverton Ribeiro) e Willian (Douglas Costa); Diego Tardelli (Roberto Firmino)
Técnico: Dunga

MÉXICO: Corona; Corral (Flores), Ayala (Salcedo), Rafa Márquez, Domínguez e Aldrete; Osuna (Fabián), Guémez (Medina) e Tecatito Corona (Luis Montes); Jiménez (Vuoso) e Herrera
Técnico: Miguel Herrera