Ponte Preta 1×1 Santa Cruz

Santa Cruz tem boa atuação mas empate compromete pretensões de acesso

Autor: Wladmir Paulino

Em mais um jogo com uma boa postura defensiva, o Santa Cruz empatou fora de casa. Desta vez, foi diante da Ponte Preta, em partida disputada no Moisés Lucarelli, em Campinas. Se a atuação foi digna de elogios, o resultado pode comprometer ainda mais as pretensões dos corais de acesso, já que dos seis pontos disputados longe do Arruda, o time deixou quatro pelo caminho.

O Santa entrou em campo com apenas uma mudança em relação ao time que começou o jogo com o Joinville, na terça. O atacante Keno deu lugar ao lateral-esquerdo Julinho. O objetivo era claro: ter um reforço na marcação pelo lado esquerdo, setor onde Cafu joga com a mesma frequência com que leva perigo às defesas contrárias. Mesmo assim, o time da casa deu mostras que só jogava nesse tom. O time insistia pelo lado em que havia mais gente. E assim o time pernambucano ia segurando o jogo.

O que estava faltando ao Santa era justamente um jogador na frente com mais mobilidade – aqui o lado ruim de não ter um lateral no lugar de um atacante de ofício. Os preferiam o lançamento longo para Leo Gamalho, que só levou vantagem uma vez, aos 11, obrigando o goleiro Roberto a defender no chute cruzado. A ausência sentida era de Wescley, sempre marcado ou fora da linha de passe.

Por isso, a bola parada passou a ser uma boa arma e o tricolor a usou bem primeiro. Aos 20 minutos, Tony bateu falta na área. A defesa da Macaca se preocupou demais com Leo Gamalho e de menos com Everton Sena. A liberdade foi tamanha que o zagueiro nem precisou saltar muito para completar de cabeça no canto direito. O Santa Cruz recuou um pouco após o gol. Embora tenha dado mais campo para o adversário não permitiu que ele entrasse em sua área.

Tanto que as melhores oportunidades dos donos da casa saíram em consequência de bolas paradas. Quando chegou perto na bola rolando, o centroavante Alexandro conseguiu vencer Tiago Cardoso, mas estava impedido e o gol foi anulado corretamente.

O time pernambucano voltou para o segundo tempo com Keno no lugar de Julinho. Apesar de a mudança sinalizar para menos marcação no lado forte da Ponte Preta não foi o que se viu na prática. Cafu continuou sem espaço e mesmo quando tentava se deslocar para o meio tinha a companhia de Danilo Pires. O roteiro foi o mesmo do primeiro tempo com essa postura bem encaixada defensivamente do Santa Cruz ao mesmo tempo impedido a Ponte de jogar e limitando as ações ofensivas.

Mas como o placar estava favorável, não houve do que se reclamar. A responsabilidade de tomar a iniciativa era toda dos campineiros. A bola ia e voltava, quase sempre pelo alto. De tanto tentar, uma hora a casa caiu. Aos 23, Fernando Bob bateu falta na área e Tiago Alves desviou para a pequena área. Cafu, que pouco produzira até então, estava sozinho e só empurrou no canto direito.

Quando a Macaca empatou, o Santa Cruz já havia perdido Keno. Numa dividida com Fernando Bob ele torceu o tornozelo direito e foi substituído por Renatinho. Cinco minutos depois, Oliveira Canindé tirou Tony para acionar Aílton. O recado era sair da trincheira e tentar a vitória. A situação se inverteu. Se a boa postura defensiva comprometeu o ataque, o fim do conservadorismo atrapalhou a defesa.

O jogo ficou equilibrado e a bola transitava mais rápido das defesas para os ataques. Aos 32, Danilo Pires recebeu cruzamento de Renatinho e, sozinho, completou por cima. Três minutos depois foi a vez de Cafu ser lançado no meio da defesa coral e chutar para Tiago Cardoso mandar a escanteio.

Ficha do jogo:

Ponte Preta: Roberto; Rodinei, Tiago Alves (Rafael Silva), Gilvan e Bryan; Fernando Bob, Juninho, Tomaz (Rodolfo) e Adrianinho (Rafael Costa); Cafu e Alexandro. Técnico: Guto Ferreira.

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Tony (Aílton), Everton Sena, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Bileu, Danilo Pires e Wescley; Léo Gamalho e Julinho (Keno) (Renatinho). Técnico: Oliveira Canindé.

Local: Moisés Lucarelli, em Campinas (SP). Árbitro: Devarly Lira do Rosário (ES). Assistentes: Leonardo Mendonça e Edson Glicerio dos Santos (ambos do ES). Gols: Everton Sena, aos 20 do primeiro tempo. Cafu, aos 23 do segundo. Cartões amarelos: Adrianinho, Rodnei e Everton Sena.