Radialista

Morre aos 66 anos o radialista Mané Queiróz

Do NE10

O jornalismo esportivo pernambucano e brasileiro perdeu, neste sábado, a voz e o carisma de um dos mais marcantes cronistas esportivos da atualidade. Manuel Marciano de Queiroz, mais conhecido como Mané Queiroz, morreu às 23h30, no Hospital Prontolinda, em Olinda, Região Metropolitana do Recife, por falência dos órgãos, após lutar contra os traumatismos sofridos ao ser atropelado no último dia 21 de dezembro por uma moto, na sua cidade Natal, Caruaru, Agreste de Pernambuco.

Mané Queiroz atuava no Escrete de Ouro das Rádios Jornal e JC News, do Sistema Jornal do Comercio de Comunicação. O enterro do radialista está marcado para as 16h deste domingo, no cemitério Parque das Flores.

Com 47 anos de carreira no rádio, Mané Queiroz começou a trabalhar na Rádio Difusora de Caruaru, pelo setor administrativo. Ele passou pela Rádio Jornal, foi para a Rádio Olinda, Rádio Clube entre outras outras emissoras do Estado. No Recife há mais de 40 anos, além de radialista, Mané cursou também economia, historia e psicologia.

c7295ae3e7ea0f72281a6c8679dd1980.jpg

Mané deixa dois filhos, uma ex-mulher e mais incontáveis amigos órfãos de uma personalidade incrível, que ocupava não apenas as ondas do rádio, mas os corações de todos os que conviviam com ele.

Abaixo, um dos últimos registros, em vídeo, do comentarista com seu humor característico:

DEPOIMENTO DE MARCELO CAVALCANTE (Blog do Torcedor)

Um domingo triste. Acordo, olho para o celular e vejo a mensagem: Mané Queiroz morreu. Perdi um amigo. A alegria da crônica esportiva pernambucana não mais sorri. A morte estúpida de Mané Queiroz foi um golpe duro nesse início de 2014. Não vai ser fácil trabalhar sem ele. Podem ter certeza. Perdemos um ser humano incrível. Estou com muitas saudades. Mas pode ter certeza que os momentos que você contou nas rádios por onde passou jamais serão esquecidos pelos seus fãs e amigos. Assim também como os episódios engraçados, que gargalhamos (e muito), nos bastidores do Sistema JC, estão guardados no coração. Um beijo, Mané.