reservas

Novamente com time misto, Vitória derrota Sport e elimina Leão da Copa Sul-Americana

Autor: Thiago Wagner

O discurso de priorizar e dar importância para a Copa Sul-Americana não entrou no gramado para o Sport na competição internacional. Não por falta de vontade. Os leoninos até lutaram dentro das quatro linhas e buscaram a classificação para a próxima fase do mata-mata. Mas faltou a eficiência antes vista no Nordestão e no Pernambucano. Sem essa característica, as chances criadas pelos rubro-negros foram desperdiçadas na noite desta quarta-feira, no Barradão, contra o Vitória. Os inúmeros desfalques, como Diego Souza e Rodrigo Mancha, pesaram no fim das contas. Melhor para os baianos, que venceram o segundo jogo do confronto por 2×1 – já haviam vencido o primeiro jogo por 1×0 – e continuam na competição. Willie e Marcinho marcaram para os donos da casa, enquanto Rithely fez o dos pernambucanos, que se frustram depois de sonharem alto.

Sem a Sul-Americana, a meta do Sport neste segundo semestre passa a ser o Brasileirão. No próximo domingo, os comandados de Eduardo Baptista tentam juntar os cacos da eliminação contra o São Paulo, no Morumbi. Será o momento de provar para o torcedor que a equipe ainda pode dar mais alegrias nesta temporada.

O JOGO – Se o futebol fosse um esporte como um boxe, o Sport poderia ter saído vencedor depois do 90 minutos. Teve mais posse de bola, mais presença territorial no campo do adversário e chutou mais. Só que não é assim que funciona. O que vale é bola nas redes. E o Vitória foi mais competente neste assunto. Teve poucas chances, mas soube aproveitá-las com Willie e Marcinho. Foi um gol em cada tempo.

Verdade que a zaga do Leão deu os seus vacilos. No gol de Willie, por exemplo, Ferron e Durval deram bobeira e viram o atacante do Vitória entrar livre para encobrir Magrão aos 21 minutos da primeira etapa. Já no segundo gol dos baianos, Marcinho ficou livre na grande área antes de marcar. A ausência de Rodrigo Mancha vem trazendo prejuízos para os rubro-negros ultimamente. Falta poder de marcação para o time de Eduardo Baptista no meio de campo. Os adversários estão aproveitando essa fragilidade e vão conseguindo sucesso. Por mais que seja voluntarioso, Rithely não consegue exercer a mesma função de Mancha.

Outro problema leonino é no ataque. A finalização vem sendo o grande pecado desse setor do time. Não foram poucas as chances criadas pelo Sport nesta noite. Ibson, Érico Júnior, Neto Baiano, Felipe Azevedo e Renê, todos tiveram o momento de perder oportunidades. Fez falta. O gol de Rithely, de cabeça, aos 5 do segundo tempo, não foi suficiente. Falta poder de fogo aos rubro-negros.

Ainda assim, mesmo com todos esses defeitos, o Leão esteve perto de se classificar em certo momento da partida. Chegou a empatar em 1×1 e poderia ter garantido a vaga com a virada. Mas o futebol não costuma ser generoso com quem erra. Por mais que o Vitória não tenha feito uma partida brilhante, cometeu menos erros na proposta que teve no campo: se defender a maior parte do tempo, principalmente no fim do confronto, quando já tinha a vantagem de 2×1. Restou aguardar o apito final.

FICHA DA PARTIDA – VITÓRIA 2X1 SPORT

Vitória: Fernandez, Nino, Roger Carvalho (Edney), Luiz Gustavo e Mansur. Adriano, Richarlyson e Marcinho. Marcos Junio (Edno), Willie (Cáceres) e Beltrán. Técnico: Ney Franco.

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rithely, Wendel e Ibson (Mike); Danilo (Érico Jr.), Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Copa Sul-Americana. Local: Barradão, Salvador (BA). Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS). Assistentes: Emerson de Carvalho (SP) e Rodrigo Pereira Joia (RJ). Gols: Willie (V) aos 21 minutos do primeiro tempo; Rithely aos 5 e Marcinho aos 29 do segundo. Amarelos: Patric (S). Público: 4.530. Renda: R$ 20.002.