Santa Cruz 2×1 Ceará

Keno comanda a virada do Santa Cruz sobre o Ceará

Autor: Wladmir Paulino

Keno foi o herói da vitória do Santa Cruz. Foto: André Nery.

O Santa Cruz venceu daquele jeito que só o Santa Cruz consegue: no fim, com toda dose de emoção que se possa imaginar. O atacante Keno foi o herói da quarta-feira (30) ao marcar os dois gols que decretaram a vitória por 2×1 na largada das quartas de final da Copa do Nordeste. Com o resultado, o Tricolor pode empatar por qualquer placar no Ceará e ainda assim avançar às semifinais. O Ceará precisa vencer por 1×0 para ir à próxima fase ou vencer por dois gols de diferença a partir de 3×1. Se der 2×1 para o Vozão, a decisão vai para os pênaltis.

PRESSÃO ALTA
O intertítulo acima não se refere à situação do Santa Cruz na temporada – embora também se encaixe – mas sim à marcação do Ceará. Para quem vinha de técnico interino, o Vozão estava bem montado, adiantado seus atacantes e conseguindo dificultar a saída de bola do Santa Cruz. O próprio Tricolor também deu uma forcinha com a dificuldade quase crônica em acertar um passe e João Paulo nunca conseguindo fazer o giro para ficar de frente para os atacantes.

GOL CHEGANDO
Dono da bola, engolindo o meio coral, o Ceará foi rondando a área e Assisinho teve uma ótima chance aos 9 minutos, mas chutou em cima de Tiago Cardoso. Quando os corais deram a resposta, aos 12, Grafite deixou a bola passar e chutou o vento. O gol amadureceu e saiu aos 22 numa falha coletiva que teve o epicentro no zagueiro Leonardo. Ele protegeu a bola para ganhar o tiro de meta, mas Richardson conseguiu dominar, passar por ele e rolar para Rafael Costa fuzilar para as redes. A partir daí, o defensor virou alvo das vaias sempre que tocava na bola.

REAÇÃO TÍMIDA
À medida que o tempo passou, o Ceará foi recuando seu bloco de marcação até se distribuir em sua metade do campo. O Santa tocou um pouco mais a bola mas só assustou mesmo num chute de Grafite que o goleiro Everson mandou a escanteio.

PROVOU DO PRÓPRIO VENENO
Na volta para o segundo tempo o Santa Cruz fez o que o Ceará fizera na etapa anterior: empurrou o adversário para o seu campo e impediu a saída de bola. A arma cearense virou-se para ele aos sete minutos. Depois de tanto errar, Grafite encontrou Wallyson na marca do pênalti. Ele ainda driblou o goleiro mas Keno vinha em velocidade e empurrou para as redes.

RETRANCA
Como o empate com gol era bom, o Ceará não quis mais se arriscar. O técnico mandou todo mundo lá para trás, tanto que Rafael Costa ficava atrás do círculo central. E por mais que os corais tivessem dois homens velozes nas pontas a marcação dobrada levava vantagem. Só nos 15 minutos finais que os cearenses conseguiram chegar mais ao ataque mas sem grandes perigos.

O HERÓI
Quando tudo caminhava para um empate amargo, Keno tirou um coelho da cartola. Invadiu a área pela direita, cortou um adversário e soltou uma bomba no ângulo. Isso tudo aos 45 minutos. Um daqueles gols para quem tem coração forte.

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Vítor, Alemão, Leonardo (Danny Morais) e Allan Vieira; Wellington Cézar (Lelê), Uillian Correia e João Paulo; Wallyson (Bruno Moraes), Keno e Grafite. Técnico: Adriano Teixeira (interino).

Ceará: Éverson, Cametá, Charles, Thiago Carvalho, Fernandinho; Baraka, Richardson, Roni (Felipe) e Serginho (João Marcos); Assisinho e Rafael Costa (Bill). Técnico: Cristian de Souza (interino).

Local: Arruda. Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB). Assistentes: Tomaz Diniz de Araujo e Luis Filipe Gonçalves Correa (ambos da PB). Gols: Rafael Costa, aos 22 do primeiro. Keno, aos 7 e 45 do segundo. Cartões amarelos: Lelê, Alemão, Assisinho, Everson, Fernandinho e Richardson.

Santa Cruz vence o Ceará e fica a dois pontos do G-4

Autor: Matheus Albino

O Santa Cruz está vivo na briga pelo acesso à Série A do ano que vem. Num jogo duro contra o Ceará, o Tricolor conquistou uma importante vitória com gol aos 44 do segundo tempo e subiu para a quinta posição da tabela, com 44 pontos, ficando a dois do quarto colocado, o Bahia. Os gols foram marcados por Grafite, de pênalti, e Vítor, de cabeça, algo raro na carreira do experiente lateral. Ricardinho descontou para o Vozão. Na próxima rodada o Santa enfrenta o Sampaio Corrêa fora de casa. O Alvinegro de Porangabuçu recebe o Oeste no Castelão.

O jogo

Marcelo Martelotte escondeu a escalação até quando pôde mas as novidades que apresentou não funcionaram. Nathan entrou como titular e perdeu duas ótimas chances no primeiro tempo, saindo no intervalo para a entrada de Diogo Campos. O lado positivo do mistério é que ele acabou com a história de que Daniel Costa e João Paulo não podiam jogar juntos.

Com os dois em campo o time ganhou e muito na armação das jogadas. Foram dos pés dos dois meias que surgiram as principais chances de gol. O problema mais uma vez foi a finalização dos homens de ataque.

A primeira grande chance foi aos 10 minutos quando Lelê fez boa jogada e cruzou da esquerda. Nathan finalizou em cima do goleiro. Um minutos depois ele perdeu a principal chance do primeiro tempo. João Paulo o deixou na cara do gol, ele chutou na primeira, o goleiro defendeu. Na sobra o mesmo Nathan chutou cruzado para fora. As chances do Ceará foram sempre nos pés de Ricardinho.

De fora da área o camisa 8 arriscava chutes venenosos que obrigaram Cardoso a fazer boas defesas. Na etapa final o Santa abriu o placar aos 9 minutos após pênalti de Tiago Cametá em Lelê. Grafite cobrou com categoria e deixou o Tricolor na frente. O jogo ganhou em emoção e as duas equipes passaram a ter mais volume de jogo. Na pressão o Vovó chegou ao empate.

Aos 22 minutos Ricardinho soltou a bomba, a bola desviou em Sacoman e enganou Tiago Cardoso. Após igualar o marcador o Ceará passou a gostar do jogo e foi para o ataque. Aos 33 Rafael Costa finalizou de dentro da área e obrigou Cardoso a fazer boa defesa. O Santa foi para o tudo ou nada.

Depois de ter tirado Daniel Costa para a entrada do estreante Vinícius Reche, Martelotte chamou Bruno Moraes para o lugar de João Paulo. A formação deixou o Santa com apenas um meia armador e dois homens de área. O Santa não fez aquela pressão capaz de colocar o Ceará no campo de defesa.

Ao contrário, poderia até levar o gol da vitória. Mas, no final foi mais competente e chegou ao segundo gol com Vítor, que invadiu a área e meteu a cabeça após cruzamento de Alan Vieira. Fim de jogo e vitória coral na Arena PE.

SANTA CRUZ

Tiago Cardoso; Vitor, Diego Sacoman, Danny Morais, Alan Vieira; Wellington César, João Paulo (Bruno Moraes) e Daniel Costa (Vinícius Reche); Lelê, Nathan (Diogo Campos) e Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte

CEARÁ

Luís Carlos; Tiago Cameta (Júlio César), Charles, Sandro, Vitor Luís; Carlão (Baraka), Guilherme Andrade, Ricardinho (Ricardo Conceição) e Wescley; Mazola e Rafael Costa. Técnico: Marcelo Cabo

Local: Arena Pernambuco. Árbitro: Antonio Neuriclaudio Costa (AC). Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Jean Carlos Rodrigues (AC). Cartões amarelos. Vítor (S); Carlão e Baraka (C) Gols: Grafite (aos 9minutos do 2°t) e Vítor (aos 44 do 2°t); Ricardinho (aos 22 do 2°t) Público.14.558 Renda: R$ 286.940