Sport 1×0 Fortaleza

Nos pênaltis, Magrão volta a salvar Sport e time derrota o Fortaleza no Nordestão

 João de Andrade Neto /Superesportes , Daniel Leal /Diario de Pernambuco

Depois da derrota por 1 a 0 no jogo de ida, o Sport precisava mostrar sua força. Para reverter a vantagem de um aguerrido Fortaleza e seguir vivo na luta pelo bicampeonato da Copa do Nordeste, era preciso ter a melhor apresentação no ano. E o Sport cumpriu seu papel. Time e também torcida, que colocou o maior público na Ilha do Retiro na temporada. Com isso, os pernambucanos devolveram o placar do jogo de ida. Mas não sem suar. Não sem drama. Que não durou apenas os 90 minutos. Foram precisos os pênaltis.E neles, mais uma vez, o Sport foi perfeito, com 100% de aproveitamento na cobranças. O Fortaleza desperdiçou duas cobranças. Uma delas defendida pelo goleiro Magrão, que também havia pego uma cobrança no Castelão. O rubro-negro está classificado. E agora vacinado em decisões. O próximo desafio será o Bahia, com o jogo de ida no Recife e a volta em Salvador.

Como era de se esperar, Sport e Fortaleza fizeram um primeiro tempo muito disputado, brigado, mas com o Leão pernambucano, precisando da vitória, tomando mais a iniciativa do jogo. E pode-se dizer que os rubro-negros fizeram uma boa etapa inicial. Faltou porém, um brilho individual capaz de abrir a defesa alencarina.

Após os minutos iniciais de equilíbrio, o Sport passou a dominar as ações a partir dos 10 minutos. Com o esquema 4-4-2 encaixado e empurrados pela torcida, os donos da casa pressionaram a meta do Fortaleza, atacando ora pela esquerda, ora pela direita e também pelo meio. E em duas oportunidades, por pouco, não abriram o placar, com a defesa da equipe cearense salvando em cima da linha.

A primeira aos 13 minutos, com o zagueiro Ewerton Páscoa cabeceando forte um escanteio cobrado por Vítor. A segunda, aos 27, com Wendel, de fora da área, tentando encobrir o goleiro Deola, salvo pelo zagueiro Adalberto.

Porém, embora melhor em campo, o Sport pecava, principalmente no individual. Mike, apesar de voluntarioso, errou mais do que acertou. Joelinton, único centroavante do time, jogou boa parte da etapa fora da área. E Diego Souza, novamente, ficou devendo.

Do outro lado, o Fortaleza, apesar de perder a saída de bola a partir da metade do primeiro tempo, também se mostrou um time perigoso. Além de bem organizado defensivamente. Tanto, que a primeira chance da partida foi com o meia Pio chutando forte, assustando Magrão.

Segundo tempo
Na volta para o segundo tempo, o técnico Eduardo Baptista sacou Mike para colocar em campo o atacante Samuel, de volta ao time após quase um mês devido a uma lesão. e não demorou muito para a mudança surtir efeito. Logo aos seis minutos, após lançamento de Diego Souza, o atacante rubro-negro foi mais esperto que a defesa do Fortaleza, tirou o goleiro Deola na corrida com um toque de cabeça, e tocou para o gol vazio, abrindo o placar. Enquanto a torcida ainda comemorava, o mesmo Samuel, no minuto seguinte, ainda mandou no travessão cearense.

Foi a senha para a Ilha pulsar. Aos 18 minutos, Baptista fez outra mudança, colocando Régis na vaga de Joelinton. Com a alteração, Diego Souza passou a atuar como centroavante. Porém, apesar do pressão da torcida, o Fortaleza conseguiu segurar o ímpeto pernambucano.

Principalmente porque voltou a ganhar o meio de campo. Com isso, a última mudança no Sport foi a entrada de Rodrigo Mancha na vaga de Wendel, aos 26 minutos. Momento crucial da partida, já que qualquer gol, de lado a lado, poderia ser decisivo. E com os dois times esgotados fisicamente. Ewerton Páscoa, com dores musculares, atuou os minutos finais no sacrifício. Com isso ficou fixo no ataque para fazer número, com Mancha recuado para a zaga.

A carga de dramaticidade de só aumentava. Com direito ao Fortaleza terminar o jogo com dois jogadores a menos. Aos 40 minutos, o zagueiro Vinícius Hess foi expulso ao derrubar Elber, que entraria cara a cara com o goleiro Deola. Aos 45, Auremir também recebeu o cartão vermelho após carrinho em Régis. Porém, não havia mais tempo para muita coisa. Era hora dos pênaltis.

Pênaltis
Na cobranças das pênaltis, o calo do Fortaleza voltou a aparecer, com Cassiano (chutando por cima) e Côrreia (Magrão defendeu) desperdiçando as duas primeiras cobranças. Do lado do Sport, 100% de aprovitamento. O último, batido pelo lateral Vítor (também converteram Diego Souza, Samuel e Élber). Vitória por 4 a 2 e o sonho do bicampeonato bem vivo.

Ficha técnica

SPORT 1 (4)
Magrão; Vitor, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely, Wendel (Rodrigo Mancha), Diego Souza e Elber; Mike (Samuel) e Joelinton (Régis). Técnico: Eduardo Baptista

FORTALEZA 0 (2)
Deola; Tinga, Lima, Adalberto, Wanderson (Vinícius Hess); Corrêa, Auremir, Pio (Cassiano), Maranhão (Daniel Sobralense) e Éverton; Lúcio Maranhão. Técnico: Marcelo Chamusca.

Local: Ilha do Retiro, no Recife.
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB).
Assistentes: Luis Filipe Gonçalves Corrêa (PB) e Oberto da Silva Santos (PB).
Gols: Samuel (aos 7’ do 2ºT) (SPT).
Pênaltis: Diego Souza (gol), Samuel (gol), Elber (gol), Vitor (gol) (SPT); Cassiano (perdeu), Corrêa (perdeu), Lima (gol), Everton (gol) (FOR)
Cartão vermelho: Vinícius Hess (aos 40’ do 2ºT) e Auremir (aos 45’ do 2ºT) (FOR).
Cartões amarelos: Wendel, Ewerton Páscoa, Renê (SPT); Lúcio Maranhão, Wanderson, Pio, Lima, Adalberto (FOR)