Sport 1×1 Santos

Sport empata e mantém ‘jejum de vitórias’ na Série A

Autor: Alvaro Filho

Foto: André Nery/JC Imagem

E segue o “jejum”. O Sport não saiu do 1×1 com o Santos, neste domingo (06), na Ilha do Retiro, completando nove jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro da Série A. Com o ponto somado, agora tem 33, mas permanece na 10ª posição da tabela, a cinco do G4 e a oito do Z4. O Peixe abriu o placar com Ricardo Oliveira, artilheiro do Brasileiro, com 15 gols, aos 18, em impedimento. André empatou aos 27, aproveitando falha da defesa adversária.

O detalhe curioso da partida foi a alteração executada pelo técnico Eduardo Baptista, ainda aos 25 do primeiro tempo, com Wendel saindo para a entrada de Régis.

O Sport agora pega o Goiás (25º), quinta (10), no Serra Dourada, enquanto o Santos (8º) faz o clássico com o São Paulo (4º),  quarta (9), na Vila Belmiro.

O JOGO

A partida começou em clima de feriadão, preguiçosa, com o Sport tentando tomar a iniciativa do jogo e o Santos na dele, esperando o contra-ataque. Apesar da maior posse de bola, o Leão concedeu as duas primeiras chances ao adversário, porém, em dois chutes fracos, com o estreante Rafael Longuine e o veterano Ricardo Oliveira.

As duas próximas investidas santistas, porém, foram diferentes. Na primeira, Ricardo Oliveira novamente testou, de fora da área, desta vez com mais perigo, forçando Danilo a se esticar e colocar para escanteio. Esquinado batido, bola parcialmente tirada e novo cruzamento. Nova defesa de Danilo, mas no rebote, Ricardo Oliveira, aos 18, mostrou oportunismo para abrir o placar, aproveitando que o bandeira não viu a posição irregular dele.

O resultado e a forma como o Sport (não) jogava forçou o técnico Eduardo Baptista a tomar uma decisão “radical”. Antes do 25º, trocou Wendel por Régis, deixando o time mais ofensivo. A mudança logo fez efeito e no primeiro ataque, a defesa santista falhou feio e André, aos 27, atento ao lance, tocou na saída do goleiro para empatar o jogo.

E o Sport não só empatou, como melhorou no jogo, evitando que o Santos definitivamente gostasse da partida. A partir de então, as ações se inverteram e foi o Sport que sempre esteve perto do gol, enquanto o contra-ataque santista minguou até entrar no volume-morto. A pressão rubro-negra, porém, não resultou em gols e a primeira etapa terminou com o placar igual.

O técnico Eduardo Baptista queimou a segunda alteração logo na volta do intervalo. Com Maikon Leite duelando com o CK alto, Samuel entrou em seu lugar. Mudança de peças que não mudou a dinâmica da partida, com o Sport querendo jogo e o Santos esperando. A diferença para o fim do primeiro tempo é que o contra-ataque santista voltou a operar, e com perigo.

Aos 22 minutos, o Sport teve duas boas chances para virar o placar. Primeiro, André limpou na entrada da área e chutou, com a bola desviando na zaga. Na cobrança de escanteio, a defesa santista tirou da área e Régis, num chutaço, viu o gol ser impedido por uma cabeçada corajosa do adversário.

A sequência animou o Sport e fez o Santos novamente se encolher e viver de espanar a bola da área.  Aos 31, a defesa do Santos foi envolvida pelos rubro-negros e André teve a chance de virar, chutando sozinho dentro da área, mas a bola acertou o travessão.

Quando parecia que o Santos iria ceder à pressão do Sport, o contra-ataque santista voltou a funcionar e, em duas investidas, Danilo Fernandes teve que trabalhar. Na primeira, a mais difícil delas, ele chegou bem e barrou a conclusão de Ricardo Oliveira, aos 35. Dois minutos depois, Gabriel também teve a chance, mas tentou e não conseguiu encobrir o goleiro leonino.

Para tentar garantir lenha no sprint final da partida, Eduardo Baptista tirou o apagado Diego Souza e colocou Hernane Brocador. Apesar do esforço, ele não foi suficiente para colocar fim no incômodo “jejum” de vitórias do Rubro-negro na Série A.

FICHA DO JOGO

Sport

Danilo Fernandes; Ferrugem, Matheus Ferraz, Durval e Renê; Wendel (Régis), Rithely e Diego Souza (Hernane Brocador); Marlone, Maikon Leite (Samuel) e André. Técnico: Eduardo Baptista.

Santos

Vanderlei; Victor Ferraz, Davi Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Renato, Rafael Longuine (Serginho) e Marquinhos Gabriel (Neto Berola); Gabriel (Leandro) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG). Assistentes: Pablo Almeida da Costa e Celso Luiz da Silva (ambos de MG). Cartões amarelos: Matheus Ferraz. Gols: Ricardo Oliveira (18) e André (27).