Vila Nova-GO

Santa Cruz Atropela o Vila Nova na Arena Pernambuco

Por Blog do Torcedor

O Santa Cruz engrenou a partir dos dez minutos finais do primeiro tempo e fez um verdadeiro baile vermelho, preto e branco diante do Vila Nova, nesta terça-feira (28), na Arena Pernambuco, em jogo válido pela 32ª rodada da Série B. O placar de 5×1 deixou o tricolor em quinto lugar com 51 pontos, apenas um a menos que o quarto colocado, o Avaí. No próximo sábado, o jogo que pode valer o G4 será novamente no estádio da Copa, diante do América-RN.

O técnico Oliveira Canindé preferiu improvisar Bileu na lateral do que acionar o especialista Nininho na lateral direita. Com isso, abriu uma vaga no meio para Natan. Perdeu muito em pegada no setor de criação. Por isso, o Vila não foi o time acuado que alguns poderiam esperar. Essa característica menos marcadora do setor fez com que o time da casa cometesse mais faltas que o habitual. O jogo terminou preso, com muito perde-ganha e incapacidade de os dois times finalizarem.Santa Cruz 5x1 Vila Nova

Além da falta de pegada, o tricolor perdeu muito de seu jogo pelo lado direito. Já que Bileu não tem a mesma característica ofensiva de Tony, o time abusou das jogadas no lado oposto, onde caíam Keno, Wescley e Tiago Costa. Uma das soluções seria deslocar Keno ou Wescley para fazer as jogadas com Danilo Pires. De tanta insistência, o gol saiu pelo lado mais explorado. Aos 34 minutos, Leo Gamalho sofreu falta a poucos centímetros da linha lateral de grande área. Danilo Pires bateu e Renan Fonseca apareceu em velocidade no segundo pau para soltar uma bomba de cabeça. O goleiro ainda tocou na bola mas foi inútil.

Na primeira vez que a bola saiu redonda pelo lado direito o aproveitamento foi perfeito. Aos 37, Natan, até então desaparecido na partida, tabelou em velocidade com Danilo Pires. Ele chutou cruzado e o desvio em Christiano foi crucial para Cléber Alves não alcançar a bola. A inspiração baixou na reta final da etapa e a porteira se abriu. Aos 41, Leo Gamalho bateu pênalti no canto direito que Danilo Pires havia sofrido. Em sete minutos, o Santa Cruz transformou um jogo enjoado em vitória categórica.

Na volta para o segundo tempo, o Vila Nova veio logo ao ataque e conseguiu um gol aos nove minutos numa bela linha de passe que terminou com a conclusão de Leonardo. Foi apenas um susto, de acordo com o que viria depois. Aos 14, Keno fez jogada individual e foi à linha de fundo até Paulinho deixar a bola para lá e atirar-se em cima do atacante tricolor. Pênalti de novo. Leo Gamalho bateu e trocou o lado: canto superior esquerdo: 4×1. Entre a marcação da penalidade e a cobrança, Jheimy foi expulso por reclamar sistematicamente com o árbitro.

Dois minutos depois, Bileu fez a primeira jogada de lateral e acertou um passe cirúrgico para Keno, na linha frontal de pequena área concluir sem dó nem piedade para Cléber Alves. Os jogadores do Santa Cruz passou a administrar e Radamés também perdeu a cabeça aos 41. Deixou o braço em cima de Alemão e foi para o vestiário mais cedo.

Por ele e por Tony
A dupla infernal formada por Tony e Danilo Pires entrou em campo pela matade por causa da suspensão do lateral. Com Bileu mais para defender do que apoiar o ataque, o lado direito sofreu durante mais de meia hora até Danilo decidir jogar por ele e pelo companheiro. Trombou driblou e chutou. Assim marcou o segundo gol e sofreu o pênalti para Leo Gamalho anotar o terceiro.

O Bem Amado
A qualidade do futebol está em baixa há um bom tempo, mas depois do quinto gol a torcida tricolor rugiu em uníssono o nome de seu xodó: “Ah! É Caça Rato!” Oliveira Canindé, que não é bobo, atendeu prontamente e cada vez que CR7 tocava na bola a Arena Pernambuco vinha abaixo.

Eles estão descontrolados
O ex-volante do Náutico, Radamés, tem ares de dono do time do Vila Nova. Tanto que no segundo tempo virou o principal articulador do meio de campo. Mas o baile fez o sangue ferver e numa dividida com Alemão, deixou o braço no peito do defensor coral. Expulso direto. Na confusão do segundo pênalti tricolor, o ex-rubro-negro Jheimy falou poucas para o juiz e levou amarelo. Falou boas e terminou vermelho.

Caça Rato & Léo Gamalho

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Bileu, Alemão, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Danilo Pires (Cassiano), Natan e Wescley (Aílton); Leo Gamalho e Keno. Técnico: Oliveira Canindé.

Vila Nova/GO: Cléber Alves; Arthur, Gustavo, Gabriel e Christiano; Leonardo, Radamés, Léo Rodrigues, Lucas Sotero (Felipe Macena) e Paulinho (João Paulo); Jheimy. Técnico: Wladimir Araújo.

Local: Arena Pernambuco. Árbitro: Eduardo Cordeiro Guimarães (RJ). Assistentes: Jackson Massarra dos Santos (RJ) e Marcio Luiz Augusto (SP). Gols: Renan Fonseca, aos 34; e Danilo Pires, aos 37; Leo Gamalho, aos 41 do primeiro. Leonardo, aos nove; Leo Gamalho, aos 14; Keno, aos 16 do segundo. Cartões amarelos: Danilo Pires, Wescley, Cléber Alves e Arthur. Expulsões: Radamés e Jheimy.

Pela Série B, Náutico enfrenta o Vila Nova para levantar o astral

Autor: Marcelo Cavalcante

Zé Mario é uma das armas que o Náutico tem para vencer o Vila Nova/GO, na Arena Pernambuco/Foto: JC Imagem

A derrota para o Sport e, consequentemente, a perda do título estaudal já faz parte do passado para o Náutico. Na tarde deste sábado, o time alvirrubro pisa no gramado da Arena Pernambuco para encarar o Vila Nova-GO, na segunda partida da Série B do Campeonato Brasileiro, o primeiro diante da sua torcida. Para que o resultado negativo no estadual não influa no psicológico dos seus jogadores, o técnico Lisca alertou que essa partida diante dos goianos já estava marcada, então todos sabem do seu compromisso. A missão do Timbu é vencer para iniciar bem a competição nacional.

Na primeira rodada, o Náutico conseguiu um bom resultado diante do Bragantino, no interior de São Paulo. Com um time considerado reserva, o Timbu viu o time paulista fazer 2×0. Mas numa bela reação, o time alvirrubro empatou a partida. Contra o Sport, apesar da derrota, o Náutico lutou e teve volume de jogo. Soube jogar ofensivamente. Lisca quer o time mantendo a mesma vibração, mas que o setor ofensivo produza ainda mais. “Estamos tranquilos e motivados para buscar a vitória. Mas, no futebol, é assim mesmo: as coisas passam. O bom é que já tem um jogo para buscarmos a recuperação”, declarou o treinador.

O técnico gostou tanto da atuação do time contra o Sport que vai praticamente repetir a escalação diante dos goianos. A única mudança confirmada está no ataque. Lisca sacou Marcelinho, que não esteve bem na partida, e escalou Rodrigo Careca. Lisca também ainda vai avaliar se mantém Marinho ou se aproveita Paulo Júnior. Mas a primeira opção é a mais provável de acontecer.  O técnico quer sua equipe atenta os 90 minutos de jogo e jogando em velocidade para não dar brechas ao adversário.

Lisca sabe que a vitória é importante sob vários aspectos. Os três pontos vão servir para o time alvirrubro recuperar auto-estima e manter uma sequência de bons resultados visando o restante da competição. “É importante estar na ponta de cima, fazer bons pontos para estar no bloco de cima antes da parada da Copa. Estamos cientes das dificuldades que vamos nos deparar a partir de agora, mas precisamos pontuar o máximo possível”, disse Lisca.

Vila Nova
O técnico Sidney Moraes, que se destacou no ano passado sob o comando do Icasa, quer a equipe de Goiás atenta durante os 90 minutos para tentar surpreender o Timbu na Arena Pernambuco. O treinador terá no time o volante Radamés, ex-Náutico, e o lateral-direito Ângelo, que eram dúvidas durante a semana. O meia Almir, contratado nesta semana, entra no time no lugar de Gustavinho. No ataque, estão confirmados Marcelo Toscano e Rafael Oliveira.

Ficha do jogo

Náutico
Alessandro; Jackson, Leonardo Luiz, Flávio e Raí; Dê, Yuri N[/CANAL]aves, Elicarlos e Zé Mário; Marinho (Paulo Júnior) e Rodrigo Careca. Técnico: Lisca.

Vila Nova-GO
Cléber Alves; Ângelo, Álvaro, Gabriel e Christiano; Gilmak, Radamés, Léo Rodrigues e Almir; Marcelo Toscano e Rafael Oliveira. Técnico: Sidney Moraes.

Local: Arena Pernambuco. Horário: 16h20. Árbitro: Avelar Silva (CE). Assistentes: Ailton da Silva e Daniel Pimentel (ambos de SE). Ingressos: de R$ 25 a R$ 120.