Vila Nova3x2 Santa Cruz

Santa Cruz repete erros, perde para o lanterna e fica distante do G4

Por: Daniel Lima

Reabilitação era a palavra de ordem no Santa Cruz. Vencer seria fundamental  para apagar a goleada sofrida por 4 x 1 contra o Vasco da Gama, na Arena Pantanal. O Vila Nova/GO foi o adversário, em partida válida pela 12ª rodada da Série B. Mesmo o adversário estando em crise e amargando a lanterna da competição, o Mais Querido não teria vida fácil no Serra Dourada.

O Santa encontrou dificuldades e foi derrotado pelos goianos por 3 x 2. Os gols corais foram marcados por Pingo e Danilo Pires. Com o segundo resultado negativo, o tricolor fica distante do G4 e permanece provisoriamente na 11ª colocação, com 16 pontos, podendo ser ultrapassado pelo Náutico no complemento da rodada.

O próximo compromisso do tricolor pelo Campeonato Brasileiro da Série B será diante do Ceará/CE, no dia 26 de julho, às 16h20, no Arruda. Mas, antes deste confronto, o Santa volta as atenções para a Copa do Brasil, quando enfrenta o Botafogo/PB, quarta-feira (23), às 22h, de portões fechados no José do Rego Maciel.

O TIME – O único desfalque do time comandado por Sérgio Guedes era o meia Carlos Alberto, suspenso por ter tomado o terceiro cartão amarelo no jogo contra os vascaínos. Mesmo o camisa 10 sendo uma peça importante, o treinador colocou o meia Wescley na titularidade. Com isso, os onze titulares foram Tiago Cardoso; Nininho, Renan Fonseca, Everton Sena e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires e Wescley; Pingo e Léo Gamalho.

O JOGO – Logo no início, o time coral apresentou muitas falhas na saída de bola, duas delas com Sandro Manoel, que por pouco deu brechas para os goianos abrirem o placar no Serra Dourada. Em ritmo lento, as equipes mal conseguiam chegar ao ataque, tornando os primeiros minutos bastante sonolentos.

Mas, aos 8 minutos, Nenê Bonilha lançou o atacante estreante Jheimy, que deu um toque sutil na saída de Tiago Cardoso, abrindo o placar. Atrás no marcador, o time de Sérgio Guedes correu atrás do prejuízo e sete minutos depois, Nininho cobrou o lateral para dentro da área e Pingo matou a bola no peito e fez um golaço, dando uma meia bicicleta, empatando o jogo em 1 x 1.

Mesmo com dois gols marcados em pouco tempo de partida, o confronto apresentava poucas oportunidades e muitos erros de passes. O grande problema do Santa era no meio de campo, pois Wescley não conseguia chegar com qualidade ao ataque, dificultando o desempenho dos homens da frente. Aos 26 minutos, o lateral Nininho fez uma falta infantil dentro da área e o árbitro marcou pênalti. O volante Radamés aproveitou a chance e converteu a penalidade, colocando novamente o Vila Nova/GO na vantagem.

Após sofrer o gol, o Santa Cruz respondeu rapidamente e, no lance seguinte, Renatinho cruzou para Léo Gamalho, que foi empurrado dentro da área pelo goleiro Cléber, mas o juiz entendeu como normal e mandou seguir. Na sequência da jogada, a bola sobrou para Memo, que mandou uma bomba na trave esquerda e quase empatou a partida. O tricolor sufocava a equipe da casa e dois minutos depois, Gamalho cruzou para Pingo, que finalizou e no rebote Danilo Pires mandou para o fundos das redes, deixando tudo igual em Goiânia.

O cronômetro marcava 40 minutos quando Jheimy bateu cruzado e obrigou Tiago Cardoso a salvar a Cobra Coral. O primeiro tempo chegava ao fim e tudo se encaminhava para as equipes descerem para o vestiário com o placar de 2 x 2. Nos últimos minutos, Santa e Vila Nova abdicaram de atacar e o árbitro encerrou a primeira parte.

SEGUNDO TEMPO – Apesar do empate, Sérgio Guedes ficou insatisfeito com o desepenho da sua equipe e voltou com uma alteração. O volante Sandro Manoel saiu no intervalo e Bileu ganhou a oportunidade de fazer a sua estreia com a camisa coral. A partida retornou da mesma forma da etapa inicial e os times pouco produziam, tornando um jogo tecnicamente lento.

Aos 6 minutos, o atacante Léo Gamalho fez uma boa jogada dentro da área e cruzou para Pingo, mas na hora certa o zagueiro Victor afastou o perigo. O Santa Cruz trocava passes para tentar acelarar o jogo e criar chances de gols. Já o Vila Nova não era bobo e aos 12 minutos, Evandro Paulista cruzou e Jheimy quase completa de carrinho para o fundo das redes. Um minuto depois, o camisa 9 tricolor recebeu dentro da área, mas perdeu o tempo da bola e quando finalizou o goleiro Cléber Alves estava ligado e colocou a bola para escanteio.

A pressão para virar o placar era grande e após a cobrança de escanteio, o volante Danilo Pires acertou uma bela cabeçada e a bola bateu na trave. Na mesma jogada, a bola sobrou para Léo Gamalho que dividiu com o arqueiro adversário e não foi feliz no lance. A blitz tricolor aumentava e o meia Wescley chutou colocado, mas a bola passou raspando a trave. Os goianos apenas assistiam o Mais Querido tomar conta do jogo.

Aos 23 minutos, o atacante Betinho foi acionado na vaga de Léo Gamalho, que mais uma vez não conseguiu balançar as redes. No seu primeiro lance na partida, Wescley bateu o escanteio e Betinho cabeceou pra fora, quase virando o placar para o Santa Cruz. O confronto chegava na metade e o placar de 2 x 2 permanecia no Serra Dourada, mesmo o gol do tricolor estando maduro.

As poucas jogadas que o Tigre criava vinham dos pés do atacante Evandro Paulista. Depois de muito tempo, o meia Júnior Xuxa arriscou de fora da área e o goleiro Tiago Cardoso espalmou, na sobra Jheimy mandou a bola para as redes, mas o bandeira assinalou impedimento e o gol foi invalidado.

O gol anulado despertou o time da casa, que aos 32 minutos passou à frente no placar. Após erro defensivo do Santa Cruz, Paulinho livre de marcação colocou o Vila Nova na vantagem. Para correr atrás do grande prejuízo, o técnico Sérgio Guedes sacou Nininho e apostou na velocidade de Emerson Santos para tentar pelo menos empatar. O Mais Querido não conseguia mais produzir, até porque os goianos estavam fechados. As únicas oportunidades saiam na bola parada, mas não foi o suficiente para o Santa Cruz igualar o marcador, finalizando a partida em 3 x 2 para os donos da casa.