Wescley

Santa Cruz faz o dever de casa e bate o Bragantino por 2×1

Por Coral Net

Em jogo atrasado pela 16ª rodada da Série B, o Santa Cruz entrou em campo para continuar com remotas chances de subir à Série A. O adversário foi o Bragantino/SP, que estava sem vencer há quatro partidas na competição.

O Mais Querido fez prevalecer o mando de campo e venceu os paulistas por 2 x 1, no estádio do Arruda. Wescley e Alemão anotaram os gols corais. O resultado quebrou o jejum de dois jogos sem vitória e aumentou a invencibilidade de quatro partidas sem sentir o sabor da derrota.

A vitória diante da torcida fez o clube das três cores subir provisoriamente duas posições na tabela. Desta forma, o Santa ocupa a 9ª colocação com 42 pontos, diminuindo a distância para o G4, que agora é de nove pontos.

Na próxima rodada, a Cobra Coral terá uma “pedreira” pela frente. O tricolor enfrentará o Vasco da Gama/RJ, sábado (18), às 16h10, na Arena Pernambuco, pelo 30º compromisso da Segundona.

O TIME – Com três desfalques confirmados – Everton Sena, Tiago Costa e Natan –, o técnico Oliveira Canindé só divulgou a escalação minutos antes do apito inicial. Além do mais, outro problema poderia ser o atacante Keno, que foi avaliado no vestiário e acabou sendo liberado.

Sendo assim, o comandante coral promoveu a estreia do zagueiro Alemão e Julinho assumiu o posto de titular na vaga de Tiago Costa. Com isso, os onze titulares foram formados com Tiago Cardoso; Tony, Alemão, Renan Fonseca e Julinho; Sandro Manoel, Bileu, Danilo Pires e Wescley; Keno e Léo Gamalho.

O JOGO – Apesar de estar atuando longe de Bragança Paulista, o adversário coral começou a todo vapor e aos 20 segundos chegou pela primeira vez. Romário arriscou de longe e Tiago Cardoso segurou firme. O Santa Cruz tinha dificuldades para criar jogadas de ataque e até os 5 minutos não conseguiu assustar a meta do goleiro Wilson Júnior.
Com um baixo rendimento, o tricolor tentava aproveitar as cobranças de escanteio. Aos 6 minutos, o volante Bileu tentou de longe e, sem nenhum perigo, a bola passou por cima do gol. O pequeno público assistia uma partida com muitos erros de passes e a falta de eficência na saída de bola coral deixava o torcedor impaciente.

O relógio cravava 11 minutos quando por pouco o Santa Cruz não contou com a sorte. Após Keno cruzar a bola na área, Tobi afastou de cabeça e quase marca um gol contra. No lance seguinte, o Bragantino respondeu com muito perigo. O atacante Antônio Flávio recebeu sozinho dentro da área, mas não conseguiu tirar a bola do camisa 1 tricolor.

A partida era muito fraca tecnicamente e o placar de 0 x 0 desenhava os 15 minutos de jogo. Os visitantes tiveram outra boa oportunidade com Tobi. Depois da cobrança de escanteio, o zagueiro subiu mais alto que a zaga e, de cabeça, mandou a bola sobre a barra de Tiago Cardoso. No minuto seguinte, Keno fez boa jogada na linha de fundo e cruzou, mas o arqueiro Wilson Júnior tirou a bola de soco.

Ambas as equipes mostravam muita disposição, porém a finalização era o maior empecilho para abrir o placar no estádio do Arruda. A primeira etapa chegava na metade e a transição do Santa Cruz continuava sendo um problema. Na beira do gramado, Oliveira Canindé estava agitado e orientava os jogadores durante todo o tempo. Aos 28 minutos, Danilo Pires cruzou e a bola fez uma curva, mas o goleiro Wilson Júnior estava ligado no lance e fez a defesa.

Mesmo brigando na parte de baixo da tabela, o Bragantino/SP não estava “morto” e logo em seguida respondeu com Antônio Flávio. O atacante finalizou cruzado e o paredão coral defendeu. A dificuldade era grande, mas Wescley fez a diferença e balançou as redes. O meia chutou de fora da área e a bola foi no canto direito do goleiro adversário, que tentou ainda chegar no lance.

Com a vantagem, o tricolor não recuou e  ampliar o placar era o objetivo. Aos 42 minutos, Keno recebeu de Bileu no lado direito da área e mandou uma bomba, mas acertou a bola foi pelo lado externo da rede. O time paulista tentou reagir e o Mais Querido segurou o placar parcial de 1 x 0 até o apito final da etapa inicial.

SEGUNDO TEMPO – Mesmo vencendo pelo placar mínino, Oliveira Canindé foi obrigado a fazer uma mudança na volta do intervalo. O meia Renatinho entrou na vaga de Julinho, que sentiu um incôdomo e teve que ser substituído.

Aos 4 minutos, Tony cobrou escanteio e Alemão aproveitou o toque de Renan Fonseca para fazer o segundo gol coral. O zagueiro estreante da noite girou como se fosse um atacante e bateu no canto do goleiro, ampliando a vantagem do Mais Querido. O tento sofrido atrapalhou a proposta de jogo estabelecida pelo treinador PC Gusmão.

O time tricolor manteve a pegada e a marcação forte chamava a atenção. Para liquidar a partida de uma vez por todas, o Santa Cruz tentava explorar a velocidade do atacante Keno, pelos lados do campo. O crônometro marcava 15 minutos e o Bragantino/SP não esboçava nenhuma reação. Erick até chegou ao ataque, mas chutou por cima do gol de Tiago Cardoso.

Oliveira Canindé orientava os jogadores para administrar o placar de 2 x 0. Nas arquibancadas do José Rego Maciel, a torcida coral “pressionava” a equipe para marcar mais um tento e transformar o resultado em goleada. Para atenter os pedidos dos torcedores, o comandante resolveu fazer a segunda modificação – Aílton entrou no lugar de Wescley, autor do primeiro gol.

O ímpeto do Santa já não era mais o mesmo, quando o relógio marcava 25 minutos da etapa complementar.  A equipe paulista aproveitava os espaços oferecidos pelo Mais Querido, mas a produção ofensiva era pífia. A postura tricolor permanecia defensiva, porém o adversário não assustava a meta do goleiro Tiago Cardoso.

Aos 35 minutos, o time da casa fez uma boa jogada pelo lado direito. Keno puxou um contra-ataque e serviu Aílton, que cruzou e Léo Gamalho não conseguiu completar para as redes. Na sequência, a bola sobrou para Danilo Pires, que bateu para fora.

Para chegar ao terceiro gol, o Santa Cruz descia para o campo de ataque com muita velocidade e a retaguarda adversária sofria alguns sustos. Faltavam seis minutos para o fim do tempo regulamentar, Pingo foi acionado na vaga de Keno, um dos destaques da partida.

No último minuto do jogo, o Mais Querido sofreu um gol, que foi marcado por Léo Jaime. Mesmo assim, não foi o suficiente e o placar final foi de 2 x 1. A equipe tricolor voltou a vencer no Campeonato Brasileiro da Série B, já que havia empatado nas duas últimas rodadas. Com a vitória, a invibilidade do Santa aumenta para quatro partidas.

No Arruda, Santa Cruz vence Atlético-GO por 2 a 0 e encerra primeiro turno com 27 pontos

 Rafael Brasileiro /Diario de Pernambuco

A vitória foi suada. Nem perto de ser bonita. Mas o suficiente para diminuir a distância para o G4 e manter o sonho do acesso à Série A vivo no Arruda. O triunfo pro 2 a 0 no Arruda foi o reencontro com a vitória e a manutenção dos cinco jogos sem sofrer gols.Momento ideal para buscar outra sequência de vitórias e embalar de vez na competição

A tática de Sérgio Guedes era agredir o adversário, mas os dois primeiros ataques foram dos visitantes, que buscaram o setor do lateral esquerdo Renatinho para tentar abrir o placar. A defesa coral não permitiu os avanços e a resposta veio em pouco tempo. Em jogada pelo lado esquerdo, Keno cruzou e a zaga goiana afastou mal. Um erro de amadores, já que a bola ficou esperando na entrada da área. Wescley teve toda a calma para finalizar de pé esquerdo no canto direito de Roberto  abrir o placar para o Santa Cruz.

Apesar de sair na frente do placar, o Tricolor do Arruda repetiu uma velha mania. Recuar quando está na frente. De tanto esperar o adversário para contra-atacar, quase que cede o empate em uma jogada confusa. O atacante Yago chegou a empurrar a bola para o fundo do gol, mas por um capricho, o assistente marcou impedimento do atacante do Dragão de Goiás. O lance foi assimilado pelos tricolores e começaram a investir com jogadas pelas laterais. Keno, pela esquerda, e Tony, pela direita, eram as maiores ameaças corais.

Porém, a primeira etapa não foi apenas dos donos da casa. Em contra-ataques que passavam pelos pés e Jorginho, o Atlético-GO conseguiu algumas faltas perigosas, principalmente quando camisa 10 dos visitantes ia ao chão. Os três cartões amarelos do Santa Cruz no primeiro tempo foram resultado e faltas em Jorginho e a consequência será sentinda no próximo sábado, quando o Tricolor visita o ABC em Natal e não contará com Tony e Sandro Manoel na primeira partida do returno.
Tony - Santa Cruz
Segundo tempo
O começo da segunda etapa foi morno e o Santa Cruz tentou manter o domínio do primeiro tempo com toques curtos e mantendo a posse de bola no meio de campo. Um erro, já que Éverton e Sandro Manoel não estavam em seus melhores dias. Errando muitos passes, os dois volantes deixavam os visitantes em condição de criar. Aproveitando que Éverton sentiu uma lesão e Natan estava fora do campo trocando as chuteiras, o Atlético quase empata a partida. Através de Jorginho, o Dragão carimbou a trave esquerda de Tiago Cardoso e a bola percorreu a linha do gol até sair do outro lado.

As tentativas de resposta do Tricolor do Arruda se limitaram a passes enfiados no meia da área em busca de Léo Gamalho. Porém, o resultado foi nulo. A tentativas de deixar o camisa nove do Santa Cruz na cara do gol esbarraram  na falta de qualidade dos passes e em erros de comunicação entre os atletas. No apagar das luzes, Pingo dividiu bola com Roberto após um contra-ataque e marcou o segundo gol coral. O lance improvável aumentou a vantagem e o resultado foi o suficiente para o Tricolor conquistar três pontos e voltar a vencer na Série B após duas partidas. Agora, são cinco jogos somando pontos e a distância para o G4 cada vez menor.

Ficha da partida

Santa Cruz 1
Tiago Cardoso, Tony, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Everton (Memo), Natan (Danilo Pires) e Wescley; Keno (Pingo) e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Atlético-GO 0
Roberto; Jonas, Adriano, Lino e Victor Oliveira; Marcus Winícius, Luciano, Jorginho e Pedro Bambu (Diogo Campos); Yago (Kayke) e André Luis (Juninho). Técnico: Hélio dos Anjos.

Árbitro: Arilson Bispo da Anunciacao (BA). Assistentes: Janette Mara Arcanjo (MG-Fifa) Jose Carlos Oliveira dos Santos (BA). Gols: Wescley (7’ do 1ºT) e Pingo (47’ do 2ºT). Cartões amarelos: Jonas e André Luis (Atlético – GO); Tony, Everton Sena e Sandro Manoel (Santa Cruz). Cartão vermelho: Jonas (Atlético-GO) e Wescley (Santa Cruz)

Wescley é o novo meia do Santa Cruz

Wescley Gomes dos Santos foi anunciado com o mais novo contratado coral. O meia de 22 anos ficou conhecido pelas boas atuações em 2013, quando disputou a Série C pelo Betim. Na temporada atual, Wescley estava na Chapecoense, mas pertence ao Atlético Mineiro, clube formador, e não estava sendo aproveitado pelo até então técnico Gilmar Dal Pozzo.

Com carência na posição, o jovem meia chega para disputar a titularidade com Carlos Alberto, Emerson Santos e Raul. O diferencial do atleta pode ser sua habilidade com a perna canhota. Wescley sempre deu muito trabalho nos jogos em que enfrentou o Santa Cruz.

Confira a ficha do jogador:
Nome: Wescley Gomes dos Santos
Idade: 22 anos (11/10/1991)
Pé preferencial: Esquerdo
Posição: Meia
Altura: 173 cm
Clubes: Atlético Mineiro, Democrata, Vila Nova, Red Bull Brasil, Betim e Chapecoense.