Williams

Neymar faz dois, é ovacionado por turcos, e Brasil bate donos da casa

Por Istambul, Turquia

Um estádio inteiro gritando o seu nome de pé. Cena comum em jogos diante de sua torcida. Mas nesta quarta-feira, no Sükrü Saracoglu Stadium, em Istambul, o atacante Neymar viu uma arena lotada de torcedores rivais o ovacionarem após o quarto gol da seleção brasileira na vitória por 4 a 0 sobre a Turquia. Willian, que deu um elástico em dois defensores rivais e também tirou aplausos dos fanáticos turcos, e Semih Kaya (contra) completaram a goleada.

Os dois gols de Neymar, de acordo com os números fornecidos pela CBF, o deixaram com o mesmo número de Bebeto, 42, na sétima colocação na lista de maiores goleadores da história da seleção brasileira. Pelé é o líder, com 95.  Na próxima terça-feira, o Brasil enfrentar a Áustria, em Viena, na última partida da equipe canarinho na temporada 2014.

Neymar gol Brasil x Turquia (Foto: Bruno Domingos / Mowa Press)
Neymar festeja um de seus gols sobre a Turquia (Foto: Bruno Domingos / Mowa Press)

O Brasil começou dominando a partida, tomando a iniciativa do jogo. Neymar parecia tímido, tentava criar, mas era bem marcado pelos turcos. O camisa 10 errou dois lances consecutivos, um no meio de campo e outro no ataque, e Dunga não perdoou. Gesticulou e conversou com o banco de reservas. Na jogada seguinte, gol do Brasl. E de quem? Neymar.

Aos 19, em lançamento de Fernandinho antes da linha do meio de campo, Neymar dominou, avançou até a área e tocou na saída de Demirel. O gol facilitou ainda mais a vida da Seleção. A torcida até empurrava os donos da casa, mas não adiantou. Cinco minutos depois, gol contra de Semih Kaya após cruzamento de Danilo. O Brasil não tirou o pé do acelerador e seguiu jogando bem.

TORCIDA VIRA “BRASILEIRA”

Willian comandava as ações, era o dono do meio de campo. E foi premiado com um belo gol já no fim da etapa inicial. Neymar tabelou com Oscar e recebeu na frente. O camisa 10 avançou pelo lado esquerdo, invadiu a área e foi desarmado. A bola sobrou para o jogador do Chelsea, que bateu colocado e fez mais um. O lance começou a conquistar a torcida turca, que aplaudiu a jogada.

Turquia x Brasil - Willian  (Foto: Mowa Press)
Willian passa por adversário: meia fez grandes jogadas e se destacou (Foto: Mowa Press)

E o segundo tempo seguiu com o mesmo ritmo. O Brasil continuou dominando as ações e, a partir daí, se os turcos já estavam gostando da atuação do time de Dunga, passaram a incentivar a cada lance. Willian dominou uma bola pela direita e aplicou um elástico, passando por dois marcadores. A arquibancada foi ao delírio com o drible do meia-atacante.

Turquia x Brasil - Luiz Adriano (Foto: Mowa Press)
Luiz Adriano domina a bola: atacante teve chance como titular da Seleção (Foto: Mowa Press)

Aos 14, o Brasil fechou a goleada com estilo. Após bela jogada com Oscar e Willian, Neymar avançou entre os zagueiros adversários, invadiu a área e bateu na saída do goleiro: 4 a 0. O estádio inteiro ficou de pé e passou a gritar o nome do jogador, que bateu palmas pela atitude dos turcos.

A Seleção passou a tocar bola, buscar os contra-ataques. O técnico Dunga também aproveitou para mexer no time e fazer alguns testes. Colocou Roberto Firmino, Fred, Casemiro, Douglas Costa e Philippe Coutinho. Mas o time parou por aí e segurou mais um resultado positivo. É a quinta vitória do time em cinco partidas e sem sofrer nenhum gol.

Após o apito final, um novo coro para o craque brasileiro.

– Neymar! Neymar! Neymar!

Turquia x Brasil (Foto: Mowa Press)
Jogadores comemoram juntos: Seleção teve atuação convincente na Turquia (Foto: Mowa Press)

Ficha técnica:

TURQUIA: Volkan Demirel (Babacan), Kaya, Köybasi, Bekir e Mehmet Topal (Çamdal); Kisa (Erkin), Altintop (Inan), Arda Turan e Erdinç (Volkan Sen); Tuan e Bulut (Potuk). Técnico: Fatih Terim

BRASIL: Diego Alves, Danilo, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo (Fred), Fernandinho (Casemiro) e Oscar (Philippe Coutinho); Willian (Douglas Costa), Neymar e Luiz Adriano (Roberto Firmino). Técnico: Dunga.

Local: Sukru Saracoglu Stadium, Istambul, Turquia
Gols: Neymar, aos 19 minutos do primeiro tempo e 14 do segundo tempo; Kaya (contra), aos 23 minutos do primeiro tempo; Willian, aos 43 minutos do primeiro tempo.

Brasil começa devagar, mas goleia o Panamá em teste

Neymar foi o destaque da seleção com um gol e uma bela assistência para Hulk. Foto: AFP – Da Agência Estado

O Brasil demorou a engrenar, só deu dois chutes a gol em todo o primeiro tempo, mas acabou não tendo problemas para golear o frágil Panamá por 4 a 0, nesta terça-feira, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, no primeiro amistoso do time de Luiz Felipe Scolari na fase preparação para a Copa do Mundo. Neymar, Hulk, Daniel Alves e Willian fizeram os gols brasileiros na partida.

Esperança da seleção para o Mundial, Neymar saiu-se muito bem. Ainda que tenha caído na provocação rival e levado cartão amarelo, participou de três dos gols. Marcou um golaço de falta, deu assistência de calcanhar para Hulk e criou o lance que propiciou o de Willian. Ainda deu um gol para Jô e outro para Fred, mas os centroavantes desperdiçaram.

A seleção brasileira volta para Teresópolis ainda nesta noite, treina lá na quarta e na quinta e, em seguida, viaja para São Paulo. Na sexta-feira, às 16h, enfrenta a Sérvia no Morumbi no último amistoso de preparação para o Mundial. A estreia na Copa é dia 12, uma quinta-feira, diante da Croácia, no Itaquerão.

Link permanente da imagem incorporada

O JOGO – O Brasil começou a partida aparentando nervosismo. Em sete minutos, tudo deu errado. Toda a vez que a equipe passou do meio de campo, algum homem de frente se atrapalhou e perdeu a bola de forma até infantil. Na zaga, os brasileiros batiam. David Luiz logo fez duas faltas, uma delas desleal, no meio, e recebeu o amarelo. Neymar e Dante também não aliviaram para os adversários, esquentando o jogo.

Foi numa falta sofrida por Marcelo, aos 7 minutos, a primeira jogada ofensiva do Brasil. O lateral levantou na área, o goleiro saiu mal, mas o lance deu em nada. Só 10 minutos depois a seleção arriscou de novo. Neymar tentou driblar meio time adversário para entrar na área, mas foi desarmado.

O jogo seguia sem chutes a gol até que, aos 25, Neymar abriu espaço na entrada da área e foi derrubado por trás. Ele mesmo cobrou, com perfeição, no ângulo, tirando da barreira e do goleiro, para abrir o placar. Foi o terceiro dele de falta com a camisa da seleção.

O gol pareceu ter feito o Brasil lembrar que tem que se impor contra o Panamá, enquanto o rival sofreu efeito contrário. A partir daí a seleção dominou o jogo, ainda que tenha chegado pouco ao ataque. Aos 39 minutos, ninguém apertou, Daniel Alves arriscou da entrada área, o goleiro McFarlane falhou e o Brasil fez 2 a 0.

Antes do intervalo, mais uma mostra do que não se fazer durante a Copa. Neymar entrou de sola numa bola, ouviu bronca do rival, e depois levou uma falta por trás no meio-campo. Pouco depois, bateu uma falta propositadamente em cima de um rival do Panamá, que não lhe dava espaço. Entrando na provocação, acabou jogando uma bola em cima de Cooper, já no fim do primeiro tempo, e recebeu cartão amarelo.

Mas Neymar também fez o que dele se espera. Logo no primeiro lance do segundo tempo, ele recebeu na entrada da área, viu Hulk passando e tocou de calcanhar. Deixou o companheiro na boca do gol para bater de primeira e fazer o terceiro.

Até os 10 minutos, foram mais duas chances claras protagonizadas por Neymar. Numa, ele colocou na cabeça de Fred, que subiu bonito, posado, e testou muito mal. Na outra, o craque entrou na área pela esquerda, chutou forte e McFarlane pegou.

Naquele momento, o Brasil já era outro. Na postura e também na formação. Afinal, no intervalo Felipão mandou a campo Maicon, Maxwell e Hernanes, nos lugares dos laterais e de Ramires. As mudanças deram brecha para o Panamá chegar e dar o primeiro chute a gol, aos 8. Dois minutos depois, Quintero cabeceou, Julio Cesar escorregou, mas se recuperou a tempo de fazer uma defesa esquisita.

No total, o Panamá chegou três vezes na área brasileira, mas nada que assustasse. Afinal, a seleção controlava o ritmo do jogo, que naquele momento já estava ganho. Felipão fez mais três alterações, o entrosamento virou problema, mas o Brasil ampliou. Aos 27 minutos, Neymar recebeu novamente na entrada da área e enfiou para a passagem de Maxwell. O lateral-esquerdo deu um tapa para tirar do goleiro e encontrou Willian na área. O meia, que havia entrado há pouco tempo, fez o quarto.

A arbitragem do boliviano Raul Orosco impediu um placar mais elástico. Foram dois pênaltis não marcados para o Brasil. Em um em que Hulk foi derrubado na área (o árbitro deu falta porque, no chão, o atacante abraçou a bola) e outro em que um panamenho deu um soco na bola para impedir cabeceio de Maicon. Neste lance o árbitro chegou a expulsar Gómez, mas voltou atrás para anotar um impedimento inexistente.

Apesar do placar elástico, o Brasil queria mais. Mostrando que, diferente de outros craques da Copa, está em ótima forma física, Neymar não cansou de brigar. No fim, deu linda assistência para Jô, que acabou travado pelo goleiro.

Link permanente da imagem incorporada

FICHA TÉCNICA

BRASIL 4 x 0 PANAMÁ

BRASIL – Julio Cesar; Daniel Alves (Maicon), David Luiz (Henrique), Dante e Marcelo (Maxwell); Ramires (Hernanes), Luiz Gustavo e Oscar (Willian); Neymar, Hulk e Fred (Jô). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

PANAMÁ – McFarlane (Calderón); Adolfo Machado, Roman Torres (Cummings), Baloy e Nahil Carroll (Carlos Rodríguez); Amílcar Henríquez, Gavilán Gómez, Cooper (Jairo Jiménez), Quintero (Gabriel Torres) e Luis Tejada (Roberto Nurse); Nicolás Muñoz. Técnico: Hernan Darío Gomez.

GOLS – Neymar, aos 26, e Daniel Alves, aos 39 minutos do primeiro tempo; Hulk, a 1, e Willian, aos 27 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – David Luiz e Neymar (Brasil); Gavilán Gómez, Cooper e Luis Tejada (Panamá).

ÁRBITRO – Raul Orosco (Fifa/Bolívia).

RENDA – R$ 2.548.030,00.

PÚBLICO – 30.663 pagantes.

LOCAL – Estádio do Serra Dourada, em Goiânia (GO).