Top 10 do UFC em 2012: finalização rara torna Do Bronx número 1

Nocautes são geralmente os lances favoritos dos fãs de lutas, mas foram as finalizações que ajudaram o UFC a virar sensação desde sua primeira edição, quando o franzino Royce Gracie usou seu jiu-jítsu para derrotar homens bem maiores e mais fortes que ele. Desde então, mesmo com as mudanças de regras que padronizaram os uniformes dos lutadores e limitaram o tempo da luta, as finalizações continuaram parte fundamental do Ultimate, que premia, a cada um de seus eventos, as melhores posições encaixadas para encerrar um combate.

Para começar a retrospectiva 2012 do UFC no SPORTV.COM, portanto, nada melhor do que relembrar as 10 melhores finalizações do ano na companhia. Ineditismo, plasticidade, dramaticidade e excelência técnica foram os critérios utilizados para classificar os lances. Três brasileiros representaram a “arte suave” na lista, com o paulista Charles “Do Bronx” Oliveira arrebatando a primeira colocação com uma posição inovadora no MMA: uma chave de panturrilha. Dois outros representantes da pátria entraram na lista, mas como vítimas: Vitor Belfort e Thiago Alves. Confira a lista completa, em ordem decrescente:

ufc Eric Wisely; Charles Oliveira (Foto: Agência Getty Images)
Charles do Bronx comemora finalização sobre Eric Wisely: número 1 do Top 10 (Foto: Agência Getty Images)

10. Stefan Struve (chave de braço) – UFC 146, 26 de maio

O holandês Stefan Struve é um gigante de 2,13m com envergadura de 2,15m e um background no kickboxing. Apesar disso, é através do jiu-jítsu, no qual é faixa-roxa, que se destacou no MMA: 16 de suas 25 vitórias foram através de finalização. Contra o especialista em muay thai e boxe Lavar Johnson, Struve, derrotado por nocaute quatro vezes na carreira, não pestanejou: trouxe o rival rapidamente para sua guarda e encaixou uma chave de braço perfeita em apenas 1m05s, saindo vitorioso e ileso do confronto.

9. Matthew Riddle (kata-gatame) – UFC 149, 21 de julho

Oficialmente, esta finalização foi anulada pela Comissão de Esportes Combativos de Calgary, pois Matthew Riddle foi pego no exame antidoping por uso de maconha, mas o lance foi tão bem aplicado que merece a menção. No terceiro round de uma batalha contra Chris Clements, Riddle anteviu uma tentativa de soco rodado do adversário, se esquivou e passou o braço direito sobre o ombro esquerdo do rival e o braço esquerdo sob a axila direita dele. Em seguida, deu um o-soto-gari, golpe do judô, e caiu no chão já com o kata-gatame encaixado. Foi só ajustar a posição de seu corpo no chão para forçar a batida em desistência de Clements.

Matt Riddle finaliza Chris Clements no UFC 149, no Canadá (Foto: Getty Images)
Matt Riddle finaliza Chris Clements no UFC 149, no Canadá (Foto: Getty Images)

8. Rousimar Toquinho (chave de calcanhar) – UFC Rio II, 14 de janeiro

Rousimar Toquinho parece ter alguma obsessão por pernas. O peso-médio mineiro conquistou metade de suas vitórias no MMA e muitos de seus combates de submission (luta agarrada sem quimono) através de chaves de joelho, tornozelo ou calcanhar. Todos esperam que ele tente essas posições, mas poucos conseguem impedí-lo. Em janeiro, contra o americano Mike Massenzio, o atleta da Brazilian Top Team mostrou toda sua excelência no movimento ao agarrar a perna direita do adversário e encaixar uma chave de calcanhar em apenas 1m03s.

7. Martin Kampmann (guilhotina) – UFC: Alves x Kampmann, 3 de março

Esta teve um gosto amargo para o Brasil, já que o cearense Thiago Alves dominava a luta com Martin Kampmann e parecia ter a vitória por pontos garantida. Todavia, talvez frustrado pela resistência do dinamarquês a seus golpes em pé, o “Pitbull” decidiu levar o combate para o chão. Kampmann não desperdiçou a oportunidade: ao ser envolvido abaixo do quadril para a queda, envolveu o pescoço do brasileiro com o braço esquerdo e, ao bater no chão, raspou rapidamente para cair por cima. Com a guilhotina apertada, Thiago Alves não teve opção a não ser bater em desistência – desesperadamente, até o árbitro Herb Dean tirar Kampmann de cima dele.

6. Joe Lauzon (triângulo) – UFC: Shogun x Vera, 4 de agosto

Esta entra na lista por ter encerrado uma das melhores lutas do ano. Joe Lauzon e Jamie Varner realizaram o melhor combate do UFC: Shogun x Vera, uma batalha de três rounds que terminou quando Varner, superior na luta em pé, seguiu as orientações de seu córner e quedou o adversário no último assalto. O lutador havia quebrado a mão direita no segundo round e tentou garantir a vitória por pontos. Contra Lauzon, ganhador de seis bônus por “Finalização da Noite” no Ultimate, porém, levar a luta para o chão é sempre um risco. “J-Lau” aproveitou um erro de transição do adversário e encaixou um triângulo, desferiu cotoveladas na cabeça e ajeitou as pernas até receber os três tapinhas.

Joe Lauzon vence luta do UFC contra Jamie Varner (Foto: Getty Images)
Joe Lauzon vence luta do UFC contra Jamie Varner com um triângulo (Foto: Getty Images)

5. Jon Jones (americana) – UFC 152, 22 de setembro

Caso conseguisse a desistência da sensação Jon Jones com uma chave de braço logo no primeiro round, Vitor Belfort certamente teria a finalização do ano. Todavia, “Bones” viu seu membro envergar e estalar, mas não bateu. Em vez disso, escapou, dominou o restante da luta e, no quarto round, mostrou que pode finalizar até um faixa-preta de Carlson Gracie com uma americana. Além de manter a sequência de vitórias sobre ex-campeões da categoria intacta, Jones deixou o evento em Toronto com uma tipoia no braço direito, o que apenas valoriza ainda mais sua finalização.

4. Rani Yahya (estrangulamento norte-sul) – UFC: Shogun x Vera, 4 de agosto

Raramente se vê uma finalização a partir da posição norte-sul no UFC, mas o brasiliense Rani Yahya conseguiu uma de forma espetacular no UFC: Shogun x Vera. Contra Josh Grispi, o peso-pena brasileiro mostrou toda sua excelência no jiu-jítsu, passando a guarda com facilidade. Logo no primeiro round, o lutador do time Constrictor colocou o americano para baixo e foi se movimentando meticulosamente até chegar à posição. Quando encaixou, moveu o corpo no sentido anti-horário até ajustar o estrangulamento e forçar a batida.

Rani Yahya na luta do UFC (Foto: Getty Images)
Rani Yahya consegue grande finalização sobre Josh Grispi (Foto: Getty Images)

3. Nate Diaz (guilhotina) – UFC: Diaz x Miller, 5 de maio

Faixa-preta de jiu-jítsu, Jim Miller jamais havia sido finalizado no MMA até encontrar Nate Diaz em seu estado natal, Nova Jersey, em maio. O duelo valia uma disputa pelo cinturão dos pesos-leves e Diaz dominou o combate em todas as áreas. Aluno de Cesar Gracie, o californiano não se preocupou quando Miller agarrou suas pernas e tentou levá-lo ao chão após sofrer uma série de socos e joelhadas em pé. Diaz envolveu o pescoço do rival e deu um belíssimo giro para ficar por cima e fechar a guilhotina. Miller bateu, e o irmão mais novo de Nick Diaz comprovou sua excelente fase, encerrada mais tarde com uma derrota por pontos para o atual campeão, Benson Henderson.

2. Chan Sung Jung (triângulo de mão) – UFC: Jung x Poirier, 15 de maio

O triângulo de mão tem algumas variações – a variação “anaconda”, por exemplo, é creditada ao brasileiro Miltinho Vieira, e consiste num triângulo de mão rodado. Chan Sung Jung, por sua vez, usou a variação chamada de “estrangulamento D’Arce”, inspirada por Joe D’Arce, para derrotar um especialista na posição, o americano Dustin Poirier, num combate entre lutadores Top 5 na divisão peso-pena. Após uma guerra em que ambos tiveram bons momentos, o “Zumbi Coreano” partiu para cima no início do quarto round e balançou o adversário com uma joelhada voadora. Quando Poirier mergulhou em suas pernas para se defender, Jung não perdeu tempo: abriu a base para não ser derrubado, passou seu braço direito por baixo do braço esquerdo do adversário e fechou o triângulo de mão. O americano apagou, e Chan Sung Jung se colocou de vez na lista de espera por uma chance de destronar José Aldo.

1. Charles Do Bronx (chave de panturrilha) – UFC: Evans x Davis, 28 de janeiro

Após uma série de três lutas sem vitórias no peso-leve, o brasileiro Charles “Do Bronx” Oliveira decidiu descer ao peso-pena e anunciou sua chegada à divisão em grande estilo logo em sua primeira atuação na categoria, contra o americano Eric Wisely, em janeiro. Após derrubar o adversário com golpes, o lutador paulista o seguiu ao chão, onde é especialista, e logo buscou uma chave de calcanhar. Quando Wisely defendeu bem a posição e tentava se levantar, porém, Do Bronx surpreendeu: com as pernas fechadas em triângulo ao redor da panturrilha do americano, puxou o rival para trás, forçando assim o tendão da área. Com expressão de intensa dor, Wisely bateu em desistência com apenas 1m43s de luta, e Do Bronx conseguiu a primeira vitória por chave de panturrilha da história do UFC.

Globo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.