Torcedora passa 3h30 em fila e terá que sentar longe de acompanhante no estádio

 NE10 Fotos: Julia Morais Arruda/Cortesia

Quem foi trocar os ingressos da Copa das Confederações neste sábado (8), no Shopping Recife, na Zona Sul do Recife, encontrou filas e tumulto. Muitos ainda saíram insatisfeitos com o assento escolhido pela Fifa.

Esse foi o caso da publicitária Júlia Morais Arruda, 22 anos. Ela chegou ao estacionamento do centro comercial, onde acontecem as trocas de ingressos, por volta das 10h30, cerca de meia hora após o início do serviço, e já se deparou com uma fila que quase dava a volta no estacionamento. “Isso era a primeira parte, em que fiquei duas horas e meia esperando para pegar um elevador para ir à cobertura. Foi uma hora para andar o espaço de quatro carros estacionados. Depois, ainda esperei para entrar na tenda onde poderia pegar o ingresso e tive que ficar em uma fila por mais uma hora”, afirmou.

Julia responsabiliza a desorganização das filas pela longa espera. “Todos os voluntários foram simpáticos e estavam dispostos a nos ajudar, mas acredito que eles eram poucos para a quantidade de pessoas que estavam lá hoje. Foi um caos na fila, com muitas brigas e gritaria”, explica. Para comprovar que o torcedor estava na fila, os organizadores entregavam um papel colorido com um rubrica. Na opinião de Julia, ele poderia ter sido facilmente falsificado.


Júlia enfrentou três filas para receber o ingresso para o jogo e ainda terá que sentar longe do namorado na partida
Os ingressos para a partida entre Itália e Japão, no dia 19, eram um presente de Dia dos Namorados garantidos com antecedência. No entanto, Júlia não vai assistir ao jogo junto ao seu acompanhante, já que os bilhetes foram entregues com assentos separados. “É frustrante. Depois de três horas e meia enfrentando filas, me entregaram os ingressos e não vamos poder usufruir do presente”, lamentou.

A publicitária tentou ir à gerência fazer uma reclamação sobre a impossibilidade de escolher a cadeira em que vai assistir à partida, porém desistiu ao perceber que aquele era um problema de vários outros torcedores. De acordo com Júlia, a resposta era a mesma para todos: aquele era um erro da Fifa, por isso nada poderia ser feito. “Disseram também que poderíamos ficar à vontade para processar”, denuncia. Ela era a última da fila para abrir o processo e, à sua frente, havia uma família em que uma criança teria que assistir separado dos pais.

Para mim, fica a certeza que, apesar das melhorias que têm sido feitas que Pernambuco possa comportar um evento desse porte, a verdade é que ainda não tem estrutura para isso.

A torcedora afirmou que, ao contrário das filas que havia para quem desejava trocar os ingressos, aqueles que queriam fazer a compra dos bilhetes não passavam por transtornos, já que subiam direto à cobertura do estacionamento, onde está montada a tenda da Fifa. O guichê de compras também estava quase vazio. “A gente tenta comprar com antecendencia para se organizar e não consegue”, lamenta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.