X Games começa nesta quinta e traz ação à beira das cataratas

Paula Minozzo, Foz do Iguaçu / paula.minozzo@kzuka.com.br

Os amantes dos esportes radicais não precisam esperar quatro anos para torcer pelos atletas de elite das modalidades de ação. Ao contrário da tradicional olimpíada, todos os anos, desde 1995, os X Games reúnem os melhores dos extreme sports e, agora, pela primeira vez, o Brasil é sede de uma edição do evento.

A partir desta quinta, até o próximo domingo, a cidade de Foz do Iguaçu se torna o centro das atenções para quem curte adrenalina. A maior competição de esportes radicais do mundo recebe mais de 200 atletas de 15 países, que disputam medalhas no skate, motocross, rali e BMX.

A cidade paranaense foi escolhida batendo candidatas fortes como Sidney, Moscou e Dubai, e continuará como base fixa durante a turnê global dos X Games nos próximos dois anos. A competição, em 2013, já passou pelos Estados Unidos e pela França, mas ainda tem paradas programadas para Espanha e Alemanha.

Grande parte das disputas será realizada no Parque Infraero, complexo que abriga as pistas e a estrutura necessária para as provas, montadas especialmente para o evento. Já as competições de skate e BMX Vert, praticados na pista com formato de U, terão lugar especial, com vista privilegiada, em frente às cataratas, no Parque Nacional do Iguaçu.
O evento é o sonho de atletas radicais e um grande revelador de novos talentos, que sonham com as premiações – que ao todo somam mais de US$ 3 milhões – e uma chance de competir na Olimpíada de Esportes Radicais com maior visibilidade do mundo. Na edição brasileira, skate, BMX, rali e motocross serão disputados entre 15 modalidades. Dos mais de 200 atletas convidados, 25 brasileiros vão jogar em casa.

O ESPN+ transmite o X Games a partir das 12h e das 20h ao vivo

Os grandes ídolos


Foto: Christian Pondella, Divulgação

Evento revelador de atletas jovens no início da carreira, os X Games também atraem grandes públicos por serem uma vitrine dos ídolos dos esportes radicais. Um deles é o skatista brasileiro Bob Burnquist (foto), 36 anos, que já faturou 22 medalhas, sendo o segundo maior vencedor da competição. No ano passado, nos X Games em Los Angeles, Burnquist foi medalhista de ouro na categoria Skate Big Air, sua modalidade principal. Nas categorias de skate, o time é de primeira. O brasileiro Sandro Dias, o americano Bucky Lasek e outros grandes nomes do esporte disputam espaço com skatistas da nova geração como Paul Rodriguez e Ryan Sheckler, dos Estados Unidos.

A vez das meninas
Num evento predominantemente masculino, as meninas têm espaço nas competições de skate – categoria street – e motocross (na modalidade EnduroCross). As americanas vêm em maior número ao Brasil.

A mineira Mariana Balbi, 26 anos, volta para o seu segundo X Games. Bruna Bartz, 16 anos, e a mineira Marcella Gonçalves, 17, participam pela primeira vez. Uma das principais adversárias das brasileiras é a eletricista americana Maria Forsberg, 26 anos, medalhista de ouro nos X Games, e considerada a mulher mais rápida da modalidade. No skate, o Brasil é representado por quatro brasileiras. Letícia Bufoni, de São Paulo, é uma das favoritas a medalha de ouro.

Novidade no Rali
Nelsinho Piquet, que recentemente ingressou na Nascar, vai competir no X Team Mitsubishi Racing, única equipe brasileira no rali, com Guilherme Spinelli.

Do IAPI para os X Games
A maior revelação do skate nacional e um dos favoritos nos X Games é Luan Oliveira, 22 anos. Gaúcho de Porto Alegre e frequentador assíduo da pista de skate do IAPI, na zona norte da Capital, Luan é o único skatista do Brasil no Street League, maior competição de skate profissional do planeta, que percorre o mundo com uma premiação total acima de US$ 2 milhões. Neste ano, Luan já faturou o campeonato Tampa Pro, na Florida, um dos maiores e mais conceituados do mundo e, no ano passado, nos X Games Los Angeles, levou medalha de prata na categoria Street.

Conheça as modalidades:

MotoCross
Best Whip, Step Up, Speed and Style, Freestyle, EnduroCross e EnduroCross feminino
Os atletas de motocross enfrentam modalidades que exigem melhor tempo nas pistas de terra com obstáculos e categorias que julgam as melhores técnicas de motocross.

Skate
Big Air, Vert, Park, Street League, Street feminino
A categoria Big Air é uma das grandes atrações, já que os atletas do skate dropam de uma altura de 25 metros para mandar ver nas manobras. Nessa edição, a competição de skate street style é organizada pela Street League, maior competição de skate profissional do mundo, em que competem os 20 melhores atletas da categoria.

BMX
Big Air, Park, Dirt e Vert
Na bicicleta BMX, os atletas mandam ver nas manobras e dividem as rampas e pistas com os skatistas. Além dos cenários urbanos e grandes rampas que desafiam os bikers, a categoria Dirt é onde eles enfrentam os obstáculos de terra. Assim como no skate, os bikers terão de enfrentar a pista gigante no Big Air.

Rali
Entre o asfalto e a terra, os pilotos disputam uma corrida de seis voltas na pista montada no Parque Infraero.

* A repórter viajou a Foz do Iguaçu a convite da Matriz Skate Shop.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.